Pular para o conteúdo principal

Gestores querem "Responsabilidade Social" sem distribuição de renda e sem eliminar desigualdades

Meu caro gestor, você mesmo em seu valioso terno com gravata! Você sabia que aquele mendigo deitado no chão da rua é tão humano quanto você e têm exatamente os mesmos direitos básicos? Não sabia? Pois me sinto na honra de lhe mostrar tamanha  e surpreendente novidade.

Muito se fala ultimamente em Responsabilidade Social. Mas observando com detalhe as iniciativas relacionadas e conhecendo a mentalidade conservadora do empresariado brasileiro, não dá para imaginar algo realmente altruístico e que gere benefícios a todos os seres humanos.

Pode parecer subjetivo dizer isso, mas é evidente que o empresariado nunca gostou de seres humanos. Pessoas só servem para satisfazer os interesses dos grandes gestores. Empresários "gostam tanto de seres humanos" que com o surgimento da primeira crise, a primeira atitude, na maioria dos casos, é demitir funcionários. 

Para se ter uma ideia, até mesmo as relações pessoais dos empresários com família e amigos são condicionadas pela satisfação de interesses materiais e pessoais, salvo raríssimas exceções. Uma observação detalhada sobre a vida de boa parte dos grandes gestores me impede de mentir sobre isso.

Responsabilidade Social, como praticada atualmente, é forma de paternalismo

Para a maioria dos gestores, Responsabilidade Social está ligada a estereótipos de caridade (importados da caridade religiosa) e com ecologia e preocupação com saúde. É uma forma de paternalismo, tendo um tutor (líder) cuidando do "bem estar" de quem está "abaixo" dele. 

Até certo ponto, A Responsabilidade Social, co jeito que está sendo posta em prática, é válida. Mas não deve ser muito revolucionária, pois é interessante para os gestores manter a divisão social em classes, mantendo ricos e pobres em seus devidos lugares, com os supérfluos dos primeiros impedindo os segundos de terem o mínimo necessário.

Quando eu ouço este papo de Responsabilidade Social das empresas, não consigo evitar o cheiro desagradável da hipocrisia e do Assistencialismo barato. Nem é preciso ser intelectual para perceber que esta iniciativa se limita a criar uma boa imagem ao sempre ganancioso empresariado e dar condições de manter trabalhadores (que executarão os serviços) e clientes (que pagarão por produtos e serviços) vivos para que a renda dos gestores possa continuar a aumentar em seu patrimônio pessoal.

Responsabilidade Social faria mais sentido se incluísse a diminuição do padrão de vida dos mais ricos, do pagamento justo de impostos (quem tem mais, paga mais), do fim da sociedade de classes (todos os seres humanos são iguais) e de salários maiores que consigam pagar todos os custos essenciais da vida de uma pessoa. Responsabilidade Social sem isso, é papagaiada, conversa mole e hipocrisia da mais descarada. Serve mais para canonizar gestores como "homens de bem".

Vamos lutar por uma Responsabilidade Social realmente social, convencendo lideranças que não dá para melhorar as vidas de todos preservando a ganância, a injustiça e os privilégios dos mais ricos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Renova Brasil: não caia nesta cilada

Uma iniciativa criada por um grupo formado pelos empresários mais ricos do país, chamada de Renova Brasil, ou Renova BR, tem a finalidade de preparar lideranças comprometidas com o neoliberalismo e que criem meios sutis de evitar a justa redistribuição de renda e o progresso de instituições brasileiras, o que poderia ameaçar a  hegemonia das grandes corporações do "Primeiro Mundo" e que prejudique os interesses particulares destes mesmos empresários.
Fracasso nas regiões onde a burguesia não é maioria
Esta iniciativa, criada para tentar salvar o neoliberalismo, que sofreu danos com a crise econômica de 2008, que se mostra um verdadeiro fracasso nas regiões onde a burguesia não domina, é liderada por Eduardo Mufarej, presidente da Somos Educação e tem o Luciano Huck como um dos patrocinadores e garoto propaganda de iniciativa. O ancião Abílio Diniz, o publicitário Nizan Guanaez (que pediu para o "mordomo" do Golpe de 2016, Michel Temer, aproveitar a impopularidade p…

Os desafios de uma Administração progressista e humanitária

Hoje, a Administração necessita urgentemente de uma novíssima fase. Mesmo com as mudanças feitas, a teoria e a prática da Administração ainda tem velhos estereótipos em sua base. Essencialmente mudou muito pouco. A Administração ainda está muito vinculada ao Capitalismo e ao ganancioso desejo pelo lucro. 
Os novos teóricos que se manifestam falam em humanismo, que pessoas são o principal ativo das empresas e bla-bla-bla, mas se vê que na prática a coisa é bem diferente. As faculdades de Administração, ao invés de serem polos de formação de gestores, acabam sendo uma fábrica de a aspirantes a magnatas egoístas, gananciosos e preconceituosos. Confundem arrivismo com ambição. É preciso parar com esta mentalidade infelizmente arraigada à ideia de Administração.
O Capitalismo está velho e acabado. Tenta melhorar a sua aparência, modernizar a sua capacidade de sedução, mas não consegue enxergar que a realidade atual exige pessoas realmente altruístas (sem a hipocrisia do assistencialismo p…

Reforma trabalhista destrói mito da Meritocracia

Hoje eu vou dar uma de Poliana, aquela personagem de conto de fada que via o lado positivo até mesmo na desgraça. A Reforma Trabalhista, que elimina muitos direitos dos trabalhadores, reduzindo o trabalho aos níveis da informalidade, tem um lado bom: cala a voz dos conservadores, que na poderão mais usar o falso mito da Meritocracia para justificar suas crenças.
Para quem chegou a este blog por meio deste texto, Meritocracia é a tese fantasiosa que alega que se um empregado cumprir todas a rotina do trabalho, obedecer ao patrão e seguir rigorosamente as regras do mercado, ele enriquecerá e virará um magnata. Pura lenda.
A Reforma Trabalhista destrói de uma vez por todas a Meritocracia e arranca a máscara de boa índole de empresários, executivos e dos conservadores que os defendem. Vários pontos da reforma deixam bem claro que o trabalhador terá a mesma fragilidade do trabalho informal (como se vê no camelô) e a possibilidade de perder até mesmo o direito a salário é real. Mesmo não e…