Pular para o conteúdo principal

Administração de esquerda: uma realidade possível


Apesar da Administração ter sido criada apenas para ensinar a teoria e prática da gestão de negócios, há muita gente que acredita, e infelizmente isso ficou arraigado socialmente, na utopia de que os cursos de gestão não passam de fábricas de magnatas em potencial, enganando muita gente que decide entrar para esses cursos.

O estereótipo arraigado de "fábrica de magnatas" tem feito com que sutilmente ideias de direita fossem doutrinadas em cursos de Administração. Mesmo que não consiga fabricar magnatas, o curso chega ao ponto de fabricar direitistas, conservadores dos mais chatos e mais egoístas, bajuladores dos líderes mais gananciosos do planeta, sonhando em se tornar como eles. Gente cuja única meta é enriquecer e mandar nos outros, como se fosse "melhor" que o resto da humanidade.

Mas não vamos esquecer que no planeta Terra não habitam somente administradores. E que o sucesso de uma empresa, em boa parte, não é de seus gestores mas dos trabalhadores contratados para por em prática as ideias que nascem nas cabeças dos gestores. E estes trabalhadores - surpresa!!! - são seres humanos! Com as mesmas características - e necessidades - biológicas que os gestores.

Ou seja: um mundinho fechado, onde só habitam magnatas portadores de coleções de supérfluos, em que o resto da humanidade é reduzida a meros bichos, se rompe quando os ex-alunos de Administração entram no mercado e deparam com o mundo real.

Todos os seres humanos têm mesmas necessidades

E aí certos mitos defendidos - incluindo a surreal Meritocracia - caem e se quebram, mostrando que o melhor gestor deve ser o gestor altruísta, que acredita não apenas que empregado feliz trabalha melhor, mas que empregado é ser humano e tem as mesmas necessidades que o patronato.

Não estou dizendo que gestores e trabalhadores tenham que ganhar igual, já que, infelizmente, é o excesso de dinheiro que dá poder as lideranças terrestres. Ainda estamos muito imaturos diante disso. Mas o gestor altruísta deve reconhecer que o trabalhador deve receber como salário líquido (eu falei líquido, o que chega em forma de dinheiro na mão da quem recebe) pelo menos o necessário para garantir as necessidades básicas garantidas pela hoje desprezada Constituição Federal de 1988.

Falando isso, provo que é possível sim, uma mentalidade de esquerda na Administração. É possível ser administrador e progressista ao mesmo tempo. E não me refiro ao que os gestores andam chamando de "Responsabilidade Social", pois para mim, não passa de um conjunto de medidas para eliminar o estigma de "egoísta, ganancioso, mal-caráter" embutido a grande maioria dos gestores. Me refiro a tratar empregados e a população mais carente como seres humanos com as mesmas necessidades, criando meios para que todos vivam com dignidade.

Isso é que é a verdadeira responsabilidade social. Não adianta empresa X  fazer seu "dia feliz" quando os empregados da mesma empresa vivam e trabalhem em condições sub-humanas e tratando seu salário como uma incerteza. É preciso ser humanista 24 horas por dia, em todas as fases da gestão. Pois ser gestor é acima de tudo trabalhar e conviver com seres humanos com mesmas necessidades.

Ganância capitalista é a responsável pela crise mundial


O pensamento de direita, que já foi útil para nos libertar do Medievalismo, já não serve mais. O Socialismo Democrático e ideais afins são o ideal para a fase atual da humanidade. A ganância tradicional dos velhos gestores - e de alguns novos também - já se mostra altamente danosa. Está ficando impossível isentar o Capitalismo da culpa pela desumana e devastadora crise mundial.


Acontece que o Capitalismo já não nos serve mais. Suas ideias entram em choque com o cotidiano do século XXI. As regras do Capitalismo só conseguem criar problemas e quando tenta resolvê-los, só os agrava ainda mais. Os ideólogos de esquerda são os únicos que têm demonstrado alguma sensatez ao analisar a economia atual. Na se vence crises com ganancia. Quem tentar ir por este caminho, carimba seu passaporte para o fracasso. Um passaporte só de ida, sem retorno.

Portanto digo que a Administração combinadas com ideais de esquerda não somente é possível como é o ideal para os tempos atuais. Temos que saber aplicar a renda investida e isso inclui o investimento em seres humanos, favorecendo uma melhor distribuição. É desta forma que combatemos crises.

Guardar dinheiro em contas bancárias (sobretudo em paraísos fiscais) só para aumentar poder político - que diacho empresários ainda querem se meter com política? - é reter dinheiro para não circular, prejudicando uma imensa multidão que só faz questão do que realmente precisa.

Ganância nunca foi algo bom para a humanidade. Imagine você, em épocas de seca, tomar um copo de água todo enquanto seu amigo ou parente mal recebe um gole? Pegue este episódio e coloque em proporções estratosféricas. É a crise mundial. Todos perdem com ela, pois nada faz a economia se movimentar do que uma renda bem distribuída, com milhões de cidadãos satisfeitos. O altruísmo de esquerda faz muito bem a saúde de todos, inclusive dos próprios gestores.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Renova Brasil: não caia nesta cilada

Uma iniciativa criada por um grupo formado pelos empresários mais ricos do país, chamada de Renova Brasil, ou Renova BR, tem a finalidade de preparar lideranças comprometidas com o neoliberalismo e que criem meios sutis de evitar a justa redistribuição de renda e o progresso de instituições brasileiras, o que poderia ameaçar a  hegemonia das grandes corporações do "Primeiro Mundo" e que prejudique os interesses particulares destes mesmos empresários.
Fracasso nas regiões onde a burguesia não é maioria
Esta iniciativa, criada para tentar salvar o neoliberalismo, que sofreu danos com a crise econômica de 2008, que se mostra um verdadeiro fracasso nas regiões onde a burguesia não domina, é liderada por Eduardo Mufarej, presidente da Somos Educação e tem o Luciano Huck como um dos patrocinadores e garoto propaganda de iniciativa. O ancião Abílio Diniz, o publicitário Nizan Guanaez (que pediu para o "mordomo" do Golpe de 2016, Michel Temer, aproveitar a impopularidade p…

Os desafios de uma Administração progressista e humanitária

Hoje, a Administração necessita urgentemente de uma novíssima fase. Mesmo com as mudanças feitas, a teoria e a prática da Administração ainda tem velhos estereótipos em sua base. Essencialmente mudou muito pouco. A Administração ainda está muito vinculada ao Capitalismo e ao ganancioso desejo pelo lucro. 
Os novos teóricos que se manifestam falam em humanismo, que pessoas são o principal ativo das empresas e bla-bla-bla, mas se vê que na prática a coisa é bem diferente. As faculdades de Administração, ao invés de serem polos de formação de gestores, acabam sendo uma fábrica de a aspirantes a magnatas egoístas, gananciosos e preconceituosos. Confundem arrivismo com ambição. É preciso parar com esta mentalidade infelizmente arraigada à ideia de Administração.
O Capitalismo está velho e acabado. Tenta melhorar a sua aparência, modernizar a sua capacidade de sedução, mas não consegue enxergar que a realidade atual exige pessoas realmente altruístas (sem a hipocrisia do assistencialismo p…

Reforma trabalhista destrói mito da Meritocracia

Hoje eu vou dar uma de Poliana, aquela personagem de conto de fada que via o lado positivo até mesmo na desgraça. A Reforma Trabalhista, que elimina muitos direitos dos trabalhadores, reduzindo o trabalho aos níveis da informalidade, tem um lado bom: cala a voz dos conservadores, que na poderão mais usar o falso mito da Meritocracia para justificar suas crenças.
Para quem chegou a este blog por meio deste texto, Meritocracia é a tese fantasiosa que alega que se um empregado cumprir todas a rotina do trabalho, obedecer ao patrão e seguir rigorosamente as regras do mercado, ele enriquecerá e virará um magnata. Pura lenda.
A Reforma Trabalhista destrói de uma vez por todas a Meritocracia e arranca a máscara de boa índole de empresários, executivos e dos conservadores que os defendem. Vários pontos da reforma deixam bem claro que o trabalhador terá a mesma fragilidade do trabalho informal (como se vê no camelô) e a possibilidade de perder até mesmo o direito a salário é real. Mesmo não e…