Pular para o conteúdo principal

"Modernização" das relações trabalhistas nos leva de volta à Senzala

Como todos sabem, ontem foi aprovada a lei da terceirização, que estende para toda e qualquer situação, inclusive para as atividades-fim, a possibilidade de empresas contratarem outras empresas para realizar o serviço sem ter vínculo empregatício. 

É uma medida que poderá reduzir os custos da contratação, mas pode tornar a vida profissional precarizada, com condições análogas a de uma escravidão. Não por acaso, é considerada a revogação não somente da CLT como também da Lei Áurea. Coincidentemente, junto com a aprovação, foi recusada pelo governo de Temer a divulgação da lista das empresas que praticam a escravidão no país.

Pode parecer subjetivo estabelecer uma comparação entre a reforma trabalhista e a escravidão, mas alguns fatos existem para comprovar que esta comparação é real, lógica e objetiva. primeiro, porque boa parte dos empresários do país descendem de senhores do engenho dos tempos coloniais, tendo a escravatura como ingrediente ideológico passado de pai para filho. Segundo que, tirando a dignidade do trabalhador e remunerando abaixo do necessário, já fá para caracterizar como escravidão.

A curto prazo pode ser benéfico somente para empresários de mentalidade especuladora. Para os desenvolvimentistas, que acreditam numa administração mais humana, entusiastas da ideia que funcionário feliz produz mais e trabalha melhor, será péssimo. 

A longo prazo, a economia do país poderá piorar drasticamente, pois faltarão trabalhadores para produzir e consumidores para pagar, fazendo com que o dinheiro não circule e a economia fique estagnada, favorecendo a falência de muitas empresas. Isso já ocorre, pois no Capitalismo mais ganancioso, falências são inevitáveis.

 Após a reforma, esse processo de falências sucessivas sera acelerado. Apenas especuladores e rentistas, atualizações dos senhores de engenho coloniais, que lucram mesmo em tempos de crises, poderão se dar bem, prejudicando empresários que realmente queiram trabalhar e desenvolver a economia.

O que Temer e todos que o apoiam querem é transformar o Brasil em uma mera colônia de exploração, como era em tempos remotos, com mão de obra quase gratuita a realizar o trabalho pesado e enriquecer os especuladores que vivem no exterior em condições mais que nababescas. 

Com a terceirização, que atingirá todas as profissões que não envolvem liderança (terceirizar liderança seria o cúmulo da insensatez), até mesmo profissões prestigiadas como médicos, será prejudicada. O que significa que muitos dos que pediram a saída de Dilma (e médicos estavam entre eles) vão ter o seu apoio retribuído de forma ingrata, recebendo prejuízo como forma de gratidão.

Desde que se deu o golpe de 2016, o Brasil tem retornado a sua condição de país rebaixado, respeitando as condições mencionadas na Teoria da Dependência de Fernando Henrique Cardoso, um dos ideólogos das medidas tomadas por Temer. 

Os governos petistas tentaram tirar o Brasil dessa tradicional condição humilhante e em torno de 13 meteóricos anos experimentou o fato de ser um país de verdade, com perspectiva de desenvolvimento e ganhando respeito de outras nações. Como um belo sonho, isso acabou e aos poucos vamos retornando à humilhante condição colonial de nossos primórdios. 

Mas quem entende Administração e Economia sabe que os danos serão inevitáveis. Quem aposta que a reforma trabalhista iniciada com a aprovação da chamada terceirização vai colocar o país nos trilhos, não sabe como funciona a economia e não demorará muito para descobrir que foi enganado. Mas aí os especuladores estarão bem longe de nós, com todo o nosso ouro, roubado de nós, em suas secretas contas em paraísos fiscais.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Reforma trabalhista destrói mito da Meritocracia

Hoje eu vou dar uma de Poliana, aquela personagem de conto de fada que via o lado positivo até mesmo na desgraça. A Reforma Trabalhista, que elimina muitos direitos dos trabalhadores, reduzindo o trabalho aos níveis da informalidade, tem um lado bom: cala a voz dos conservadores, que na poderão mais usar o falso mito da Meritocracia para justificar suas crenças.
Para quem chegou a este blog por meio deste texto, Meritocracia é a tese fantasiosa que alega que se um empregado cumprir todas a rotina do trabalho, obedecer ao patrão e seguir rigorosamente as regras do mercado, ele enriquecerá e virará um magnata. Pura lenda.
A Reforma Trabalhista destrói de uma vez por todas a Meritocracia e arranca a máscara de boa índole de empresários, executivos e dos conservadores que os defendem. Vários pontos da reforma deixam bem claro que o trabalhador terá a mesma fragilidade do trabalho informal (como se vê no camelô) e a possibilidade de perder até mesmo o direito a salário é real. Mesmo não e…

Os desafios de uma Administração progressista e humanitária

Hoje, a Administração necessita urgentemente de uma novíssima fase. Mesmo com as mudanças feitas, a teoria e a prática da Administração ainda tem velhos estereótipos em sua base. Essencialmente mudou muito pouco. A Administração ainda está muito vinculada ao Capitalismo e ao ganancioso desejo pelo lucro. 
Os novos teóricos que se manifestam falam em humanismo, que pessoas são o principal ativo das empresas e bla-bla-bla, mas se vê que na prática a coisa é bem diferente. As faculdades de Administração, ao invés de serem polos de formação de gestores, acabam sendo uma fábrica de a aspirantes a magnatas egoístas, gananciosos e preconceituosos. Confundem arrivismo com ambição. É preciso parar com esta mentalidade infelizmente arraigada à ideia de Administração.
O Capitalismo está velho e acabado. Tenta melhorar a sua aparência, modernizar a sua capacidade de sedução, mas não consegue enxergar que a realidade atual exige pessoas realmente altruístas (sem a hipocrisia do assistencialismo p…

Crença na equiparação de grandes e pequenos faz população ter piedade de grandes gestores, criando um pensamento conservador

Para a população, os grandes empresários são iguais aos pequenos. Porque os pequenos é que fazem parte da realidade da população. Os pequenos sofrem para manter seus negócios e costumam ser honestos, trabalhadores e não raramente altruístas. Os gestores de micro, pequeno e médio porte são realmente onde se pode ver exemplos de boa e excelente gestão.
Como falei acima, é o que a população consegue ver. A noção de empresariado da população mais leiga é o que ela conhece pessoalmente. Portanto, para a população em geral, empresários são trabalhadores, honestos, humildes e altruístas. E é desta forma que imaginam ser também os grandes.
As pessoas comuns não sabem como funciona o grande empresariado porque não tem acesso aos seus bastidores. Se baseiam no que conhecem, o que faz com que consigam enxergar no poderoso empresário aquele humilde quitandeiro da esquina. Mas um quitandeiro em proporções colossais. Se acham que o quitandeiro sofre, acreditam que o poderoso empresário sofra ainda…