Pular para o conteúdo principal

Renova Brasil: não caia nesta cilada


Uma iniciativa criada por um grupo formado pelos empresários mais ricos do país, chamada de Renova Brasil, ou Renova BR, tem a finalidade de preparar lideranças comprometidas com o neoliberalismo e que criem meios sutis de evitar a justa redistribuição de renda e o progresso de instituições brasileiras, o que poderia ameaçar a  hegemonia das grandes corporações do "Primeiro Mundo" e que prejudique os interesses particulares destes mesmos empresários.

Fracasso nas regiões onde a burguesia não é maioria

Esta iniciativa, criada para tentar salvar o neoliberalismo, que sofreu danos com a crise econômica de 2008, que se mostra um verdadeiro fracasso nas regiões onde a burguesia não domina, é liderada por Eduardo Mufarej, presidente da Somos Educação e tem o Luciano Huck como um dos patrocinadores e garoto propaganda de iniciativa. O ancião Abílio Diniz, o publicitário Nizan Guanaez (que pediu para o "mordomo" do Golpe de 2016, Michel Temer, aproveitar a impopularidade para ferrar com a população), o economista Armínio Fraga (braço direito do neoliberal FHC) e o magnata da cerveja Jorge Lemann também comandam a infeliz iniciativa.

Aliás, é perigoso, extremamente perigoso o envolvimento de empresários gananciosos com projetos educacionais e de filantropia. A meta deles é impedir o senso crítico que mostre à população em geral todo o processo parasitário que pretende preservar a ganância dos mais ricos, impedindo de todas as formas - mas priorizando a sutileza - uma redistribuição de renda, bens e direitos que reduza o padrão dos mais ricos e que os impeça de ter poder sobre os políticos.

Mufarej lamenta o fracasso nas regiões fora do Sul/Sudeste e argumenta que é preciso "ampliar o alcance e ter mais diversidade e pluralidade" e que procura candidatos que tenha certas "posições econômicas, democráticas (sic) e morais, identificando e evitando quem tenha posicionamentos radicais". Substitua "posicionamentos radicais" por "ideais progressistas de redistribuição de renda e direitos" e você entenderá direitinho o recado de Mufarej.

O fracasso nas regiões onde a burguesia não domina derruba  o mito de que o povo pobre é burro e ingênuo, mostrando que o pessoal fora do eixo Sul/Sudeste não é bobo e sabe muito bem que o Renova BR esconde más intenções por trás de uma fachada linda que se mostra "cívica", "democrática" e "diversificada", mas totalmente focada no interesse particular dos homens mais ricos do Brasil, maestros do Golpe de 2016 e homens nada interessados no bem estar alheio.

Compromisso com interesses particulares de grandes empresários

Como eu falei, o projeto conta com os maiores empresários do país e pretende, além de criar lideranças comprometidas com os interesses particulares desses empresários, driblar a lei que impede o financiamento privado em campanhas eleitorais de candidatos conservadores, algo que pode classificar a iniciativa como forma "branca" de corrupção. Curioso tentar combater a corrupção com corrupção.

Você, amigo administrador, que está interessado em conhecer mais o projeto, peço que faça o favor de desistir do Renova BR. Um projeto criado pelos empresários mais gananciosos do país, explicitamente anti-humanitários e inimigos de forças progressistas, não pode ser apoiado por quem quer ver o Brasil mais justo e desenvolvido. 

Não se desenvolve sociedade eliminando direitos, vendendo riquezas e concentrando renda. O Renova BR é uma fraude e tem o propósito de criar verdadeiros capangas do grande empresariado a preservar a ganância e impedir que bens, direitos e rendas sejam distribuídos para toda a população. 

A verdadeira intenção dos apoiadores do Renova BR é tornar estável e segura a vida nababesca e o poder político que tanto marcou a burguesia brasileira, gananciosa desde os tempos dos grandes senhores de engenho, homens que nunca foram patriotas e que sempre consideraram que seres humanos são o problema que impede o desenvolvimento da economia e que por isso devem ser eliminados.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os desafios de uma Administração progressista e humanitária

Hoje, a Administração necessita urgentemente de uma novíssima fase. Mesmo com as mudanças feitas, a teoria e a prática da Administração ainda tem velhos estereótipos em sua base. Essencialmente mudou muito pouco. A Administração ainda está muito vinculada ao Capitalismo e ao ganancioso desejo pelo lucro. 
Os novos teóricos que se manifestam falam em humanismo, que pessoas são o principal ativo das empresas e bla-bla-bla, mas se vê que na prática a coisa é bem diferente. As faculdades de Administração, ao invés de serem polos de formação de gestores, acabam sendo uma fábrica de a aspirantes a magnatas egoístas, gananciosos e preconceituosos. Confundem arrivismo com ambição. É preciso parar com esta mentalidade infelizmente arraigada à ideia de Administração.
O Capitalismo está velho e acabado. Tenta melhorar a sua aparência, modernizar a sua capacidade de sedução, mas não consegue enxergar que a realidade atual exige pessoas realmente altruístas (sem a hipocrisia do assistencialismo p…

Reforma trabalhista destrói mito da Meritocracia

Hoje eu vou dar uma de Poliana, aquela personagem de conto de fada que via o lado positivo até mesmo na desgraça. A Reforma Trabalhista, que elimina muitos direitos dos trabalhadores, reduzindo o trabalho aos níveis da informalidade, tem um lado bom: cala a voz dos conservadores, que na poderão mais usar o falso mito da Meritocracia para justificar suas crenças.
Para quem chegou a este blog por meio deste texto, Meritocracia é a tese fantasiosa que alega que se um empregado cumprir todas a rotina do trabalho, obedecer ao patrão e seguir rigorosamente as regras do mercado, ele enriquecerá e virará um magnata. Pura lenda.
A Reforma Trabalhista destrói de uma vez por todas a Meritocracia e arranca a máscara de boa índole de empresários, executivos e dos conservadores que os defendem. Vários pontos da reforma deixam bem claro que o trabalhador terá a mesma fragilidade do trabalho informal (como se vê no camelô) e a possibilidade de perder até mesmo o direito a salário é real. Mesmo não e…