Pular para o conteúdo principal

A decadência de "João Dólar", o "João Trabalhador"

Dizem que mentira tem pernas curtas. Pode até ser que as pernas sejam mais longas do que se pensa, mas elas nunca crescem. Chega um momento que os fatos, com ajuda da lógica e do bom senso, acabam por derrubar qualquer mentira, desmascarando quem se beneficiar em enganar os outros.

João Dória, eleito em 2016 como prefeito da maior cidade do país, São Paulo - em si uma função de gigantesca responsabilidade e complexividade - tem se mostrado uma farsa, não apenas como prefeito, mas também como o gestor. Quem se lembra das campanhas dele, sabe que ele vendeu a imagem do "gestor", como se governar a maior cidade do país fosse tão fácil como administrar uma pequena quitanda de subúrbio.

O próprio João Dória, como gestor, é uma farsa. Na verdade, Dória é publicitário e seu verdadeiro dom está relacionado a esta função. E publicidade é o que ele tem feito quando começou a sentar na cadeira de prefeito e nada além disso. A alegada capacidade de gestor até agora não apareceu desde que ele foi eleito.

A experiência de "gestor" de Dória, pelo que se sabe, é através da Lide, que na verdade não passa de um mero clube de magnatas brasileiros. É uma empresa que não produz nada, servindo apenas de ponto de encontro - uma espécie de rede social no mundo real - onde se realizam eventos e palestras feitos e assistidos pelos maiores magnatas do Brasil e alguns do exterior.

Publicitário metido a gestor

Como eu falei, o verdadeiro negócio de Dória é a publicidade. Além da Lide, ele é conhecido por apresentar um programa nas madrugadas onde conversa trivialidades com magnatas, como uma extensão do que já faz na Lide. 

Por causa disso, foi convidado a apresentar o reality show O Aprendiz, apresentado no exterior pelo atual presidente dos EUA, o controverso Donald Trump, o que enche João Dória de comparações. Dória chegou a ser presidente da Embratur em uma gestão passada, numa experiência cheia de polêmicas.

Segundos os habitantes de São Paulo, a cidade está abandonada. Dória só sabe viajar, principalmente para fazer a campanha para presidente nas próximas eleições. O que se mostra uma atitude inútil, pois partidos já começam a descartar Dória para 2018 devido a sua atitude de abandonar a cidade. Dória argumenta que administra São Paulo à distância. Mas isso não te convencido quem conhece a complexividade de São Paulo, que exige a presença e a dedicação total de um prefeito.

Uma coisa importante a dizer para quem acredita neste mito de "gestor": administrar uma cidade é muito diferente de administrar uma empresa, independente do nível de complexividade. São realidades muito diferentes que exigem diferentes tipos de administração. 

Se já é complicado para um excelente administrador de uma complexa corporação empresarial governar uma cidade de tamanho médio, imagine para um medíocre gestor de um clubinho de magnatas ter que governar a maior cidade de um país.

Acho que esta desastrada experiência de "João Trabalhador" não deverá ser repetida. Por isso que até partidos conservadores não querem mais saber de um candidato que não possui algo positivo para comprovar a sua competência. Ou você aceitaria como presidente da República alguém que praticamente abandonou a maior e mais complexa cidade do Brasil?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Reforma trabalhista destrói mito da Meritocracia

Hoje eu vou dar uma de Poliana, aquela personagem de conto de fada que via o lado positivo até mesmo na desgraça. A Reforma Trabalhista, que elimina muitos direitos dos trabalhadores, reduzindo o trabalho aos níveis da informalidade, tem um lado bom: cala a voz dos conservadores, que na poderão mais usar o falso mito da Meritocracia para justificar suas crenças.
Para quem chegou a este blog por meio deste texto, Meritocracia é a tese fantasiosa que alega que se um empregado cumprir todas a rotina do trabalho, obedecer ao patrão e seguir rigorosamente as regras do mercado, ele enriquecerá e virará um magnata. Pura lenda.
A Reforma Trabalhista destrói de uma vez por todas a Meritocracia e arranca a máscara de boa índole de empresários, executivos e dos conservadores que os defendem. Vários pontos da reforma deixam bem claro que o trabalhador terá a mesma fragilidade do trabalho informal (como se vê no camelô) e a possibilidade de perder até mesmo o direito a salário é real. Mesmo não e…

Os desafios de uma Administração progressista e humanitária

Hoje, a Administração necessita urgentemente de uma novíssima fase. Mesmo com as mudanças feitas, a teoria e a prática da Administração ainda tem velhos estereótipos em sua base. Essencialmente mudou muito pouco. A Administração ainda está muito vinculada ao Capitalismo e ao ganancioso desejo pelo lucro. 
Os novos teóricos que se manifestam falam em humanismo, que pessoas são o principal ativo das empresas e bla-bla-bla, mas se vê que na prática a coisa é bem diferente. As faculdades de Administração, ao invés de serem polos de formação de gestores, acabam sendo uma fábrica de a aspirantes a magnatas egoístas, gananciosos e preconceituosos. Confundem arrivismo com ambição. É preciso parar com esta mentalidade infelizmente arraigada à ideia de Administração.
O Capitalismo está velho e acabado. Tenta melhorar a sua aparência, modernizar a sua capacidade de sedução, mas não consegue enxergar que a realidade atual exige pessoas realmente altruístas (sem a hipocrisia do assistencialismo p…

Crença na equiparação de grandes e pequenos faz população ter piedade de grandes gestores, criando um pensamento conservador

Para a população, os grandes empresários são iguais aos pequenos. Porque os pequenos é que fazem parte da realidade da população. Os pequenos sofrem para manter seus negócios e costumam ser honestos, trabalhadores e não raramente altruístas. Os gestores de micro, pequeno e médio porte são realmente onde se pode ver exemplos de boa e excelente gestão.
Como falei acima, é o que a população consegue ver. A noção de empresariado da população mais leiga é o que ela conhece pessoalmente. Portanto, para a população em geral, empresários são trabalhadores, honestos, humildes e altruístas. E é desta forma que imaginam ser também os grandes.
As pessoas comuns não sabem como funciona o grande empresariado porque não tem acesso aos seus bastidores. Se baseiam no que conhecem, o que faz com que consigam enxergar no poderoso empresário aquele humilde quitandeiro da esquina. Mas um quitandeiro em proporções colossais. Se acham que o quitandeiro sofre, acreditam que o poderoso empresário sofra ainda…