Pular para o conteúdo principal

Reforma Trabalhista, Crise de 2008 e Pejotização

A Reforma Trabalhista aprovada no governo golpista de Michel Temer, para quem leu todos os pontos detalhadamente e conhece como funciona as mentes dos maiores empresários do país, sabe que a mesma eliminará a dignidade do mercado de trabalho brasileiro a partir de agora. 

Na melhor das hipóteses, entraremos numa espécie de sistema de bicos, onde o emprego de carreira se torna um privilégio de poucos enquanto a maioria terá que se virar com formas precárias de empregos instáveis, sem o direito de administrar os gastos com salários, já que estes se tornam uma incerteza sem garantias, podendo ser cancelados sem aviso tendo a alegada crise como justificativa.

Temer foi um instrumento utilizado pelo "Deus-mercado" para realizar um golpe que servisse para preservar a ganância dos empresários, preocupados com os danos causados com a crise mundial de 2008. Em 1929, uma crise semelhante fez surgir o Nazismo na Alemanha, com medidas danosas aos cidadãos alemães, sobretudo os que pertenciam a etnias e grupos culturais diversos da chamada "raça ariana", os brancos de classes econômicas superiores de então.

Crises beneficiam Grandes Capitalistas

Crises são ótimas para Grandes Capitalistas, do contrário do que todos pensam. Este negócio e que crises prejudicam a todos é uma lenda defendida por aqueles que desconhecem como funciona a economia e a política no mundo. Grandes Capitalistas tem renda, bens e poder suficientes para extrair algum benefício de crises, que ainda servem como justificativa para aumentar ainda mais medidas sádicas que protegerão e aumentarão o seu poder e a sua ganância.

E esta crise tem servido como argumento para aprovar as tais reformas no emprego. Uma reforma que veio não para melhorar, mas para piorar. Embora a mídia cúmplice dos Grandes Capitalistas tenha lançado mão de mentiras para mostrar as reformas como vantajosas para o trabalhador, o fato é que as mesmas surgem para eliminar os limites dos abusos de patrões e empresários, transformando o trabalhador num mero equipamento, como se ele não fosse um ser humano dotado de necessidades.

Empresários não estão dispostos a reduzir seu padrão alto de vida e por isso transferem para os empregados a responsabilidade de arcar com a crise de 2008. Este é o verdadeiro motivo do surgimento das reformas trabalhistas, que nada tem de modernização. 

Modernizar significa oferecer algo melhor que a CLT. Mas quem leu com detalhes os pontos da reforma aprovada, a ser posta em prática em novembro próximo, sabe muito bem que é um retrocesso, uma volta em essência, ao que havia antes da CLT. É a precarização do trabalho, que elimina a dignidade do trabalho, transformando o ganho do trabalhador em uma incerteza, impedindo-o de fazer planos e aumentar a inadimplência em pagamentos a prestação.

Trabalhadores vinculados à empresas-fantasmas

O papo de que vai transformar todo mundo em empreendedor é uma falácia. O que vai acontecer é que os trabalhadores estarão vinculados a empresas-fantasmas (pejotização, de "Pessoa Jurídica") que se tornarão as únicas responsáveis para garantir os direitos desses "empreendedores" de fachada, que trabalharão feito peões a outros patrões que não terão responsabilidade com seus empegados, meros prestadores de serviços.

Parece lindo falar que "todos vão virar empreendedores", mas na verdade isso esconde um lado bem cruel, que deveria abir os olhos da população e estimulá-las a lutar com todas as forças e de forma insistente pela sua revogação. A Reforma Trabalhista só beneficia os patrões, que agora perdem obstáculos que os impediam de cometer os seus abusos.

Mas é sabido que as reformas podem ser um tiro no pé dos empresários brasileiros, famosos por terem um certo nível de ignorância e de rejeitarem lucros a longo prazo. Empresários vão perder clientes pois o salário, sendo uma incerteza, pode não vir e impedir pessoas de pagarem por bens e serviços. 

A Economia e a Administração modernas exigem maior altruísmo, baseado na consciência de que algo que beneficia todos, ou o maior número de pessoas, é benéfico para toda a economia, garantindo lucros e salários a todos e fazendo empresas crescerem. A evolução dessas das ciências sempre pendeu para o altruísmo e preservar a ganância de poucos rentistas é uma medida suicida. 

A Reforma Trabalhista de 2016 é a pior forma de resolver a crise de 2008, com medidas comprovadamente fracassadas que levaram nações a falência. Será agora a vez do Brasil, que aos poucos se precarizará a níveis dos mais miseráveis países do continente africano. Resta esperar economistas e administradores sérios reverter o quadro a um futuro mais ou menos próximo, após ver os sérios danos que estas reformas trarão à economia, e que nada tem a ver com empreendedorismo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os desafios de uma Administração progressista e humanitária

Hoje, a Administração necessita urgentemente de uma novíssima fase. Mesmo com as mudanças feitas, a teoria e a prática da Administração ainda tem velhos estereótipos em sua base. Essencialmente mudou muito pouco. A Administração ainda está muito vinculada ao Capitalismo e ao ganancioso desejo pelo lucro. 
Os novos teóricos que se manifestam falam em humanismo, que pessoas são o principal ativo das empresas e bla-bla-bla, mas se vê que na prática a coisa é bem diferente. As faculdades de Administração, ao invés de serem polos de formação de gestores, acabam sendo uma fábrica de a aspirantes a magnatas egoístas, gananciosos e preconceituosos. Confundem arrivismo com ambição. É preciso parar com esta mentalidade infelizmente arraigada à ideia de Administração.
O Capitalismo está velho e acabado. Tenta melhorar a sua aparência, modernizar a sua capacidade de sedução, mas não consegue enxergar que a realidade atual exige pessoas realmente altruístas (sem a hipocrisia do assistencialismo p…

Reforma trabalhista destrói mito da Meritocracia

Hoje eu vou dar uma de Poliana, aquela personagem de conto de fada que via o lado positivo até mesmo na desgraça. A Reforma Trabalhista, que elimina muitos direitos dos trabalhadores, reduzindo o trabalho aos níveis da informalidade, tem um lado bom: cala a voz dos conservadores, que na poderão mais usar o falso mito da Meritocracia para justificar suas crenças.
Para quem chegou a este blog por meio deste texto, Meritocracia é a tese fantasiosa que alega que se um empregado cumprir todas a rotina do trabalho, obedecer ao patrão e seguir rigorosamente as regras do mercado, ele enriquecerá e virará um magnata. Pura lenda.
A Reforma Trabalhista destrói de uma vez por todas a Meritocracia e arranca a máscara de boa índole de empresários, executivos e dos conservadores que os defendem. Vários pontos da reforma deixam bem claro que o trabalhador terá a mesma fragilidade do trabalho informal (como se vê no camelô) e a possibilidade de perder até mesmo o direito a salário é real. Mesmo não e…

Renova Brasil: não caia nesta cilada

Uma iniciativa criada por um grupo formado pelos empresários mais ricos do país, chamada de Renova Brasil, ou Renova BR, tem a finalidade de preparar lideranças comprometidas com o neoliberalismo e que criem meios sutis de evitar a justa redistribuição de renda e o progresso de instituições brasileiras, o que poderia ameaçar a  hegemonia das grandes corporações do "Primeiro Mundo" e que prejudique os interesses particulares destes mesmos empresários.
Fracasso nas regiões onde a burguesia não é maioria
Esta iniciativa, criada para tentar salvar o neoliberalismo, que sofreu danos com a crise econômica de 2008, que se mostra um verdadeiro fracasso nas regiões onde a burguesia não domina, é liderada por Eduardo Mufarej, presidente da Somos Educação e tem o Luciano Huck como um dos patrocinadores e garoto propaganda de iniciativa. O ancião Abílio Diniz, o publicitário Nizan Guanaez (que pediu para o "mordomo" do Golpe de 2016, Michel Temer, aproveitar a impopularidade p…