Pular para o conteúdo principal

É ingenuidade micros, pequenos e médios empresários pensarem como os grandes

A falácia conhecida como Meritocracia tem servido não só de justificativa malandra para tentar justificar as desigualdades sócio-econômicas como também de ilusão para que pequenos empreendedores sonhem um dia em virar gigantescos empresários a querer mandar em governantes.

Mesmo que seja possível um pequeno se tornar gigante, as chances deste fato acontecer são extremamente reduzidas. Creio em torno de 0,0000000000000000001% de chance. Quase nada. 

Normalmente grandes empresários se tornam tais através de herança, fusões com outras empresas, rentismo e ações hipervalorizadas na bolsa de valores, ajuda dos governos e infelizmente, atos desonestos (como a corrupção). Trabalho duro dá dinheiro, mas em quantias moderadas. Ninguém fica rico só porque acordou cedo e cumpriu com eficiência uma rotina de trabalho.

É uma ignorância de muitos micros, pequenos e médios empresários de pensarem como magnatas, aderindo as tolices defendidas pelos ideais de direita (avessos ao progresso). Administração não é um privilégio e sim uma missão. É um erro achar que ser gestor é um caminho fácil para o enriquecimento ganancioso. Ser líder não deveria ser sinônimo de ser melhor que os outros.

Pequenos que sonham em ser grandes

Pessoalmente tive contato com alguns pequenos empresários e fiquei horrorizado com o modo de pensar deles. Pensavam como grandes empresários, com aquela clássica intolerância contra os mais pobres. Curioso que vários deles eram ex-pobres e tem pessoas pobres em sua clientela. Acham que em um futuro não distante, suas pequenas mercearias se tornarão gigantescas como o Wal Mart, dependendo apenas de acordar cedo e arregaçar as mangas. Puro delírio.

O que separa os grandes e gigantescos empresários do resto - sim, do resto, no sentido pejorativo mesmo, pois no Capitalismo selvagem os grandes esnobam os pequenos - é muita coisa. Acho que os micros, pequenos e médios nem deveriam se considerar empresários, arrumando outros nomes para se auto-definir. 

Micros, pequenos e médios gestores deveriam se definir como administradores de empresas, pois agem como tais e realmente trabalham duro para enter suas empresas. Empresários que não são grades agem como trabalhadores e não possuem os privilégios de mandar em gestões políticas, sofrendo as limitações econômicas com tanta ou mais dificuldades que o mais raso dos funcionários.

Pequenos gestores trabalham. Grandes apenas dão ordens

Os grandes e gigantes não sabem o que é dificuldade. Muitos empresários de gigantesco porte nem administram: tem tanto dinheiro que pagam outros para administrar, ficando apenas com o seu nome registrado como proprietário da empresa. Se limitam a distribuir ordens e ficar de longe em suas mansões caras observando o funcionamento de suas empresas e o lucro que entra em suas contas pessoais. 

Misturar patrimônio pessoal (CPF) do patrimônio da empresa (CNPJ) é algo que nunca deveria acontecer. Esta confusão é uma das principais coisas que caracteriza a ganância empresarial dos maiores empresários. Não raramente a maior parte dos lucros vai para as contas do empresário e não da empresa. É comum vermos empresários muito bem de vida administrando empresas em crise, que operam com poucos recursos financeiros.

O que não acontece com micros, pequenos e médios gestores que tem absoluta noção da responsabilidade financeira de suas gestões. Calculam cada centavo que entra e sai de suas empresas e - tirando os sonhadores mais gananciosos, que existem - controlam as suas atividades empresariais sem que o desejo de acumular bens e privilégios prejudique as atividades das empresas.

Empresários não-grandes deveriam ter uma mentalidade progressista, pois são também trabalhadores. Gestores de micro, pequeno e médio porte não são melhores do que quaisquer funcionários. O trabalho de administrar aquela loja da esquina é duro, nada fácil e constantemente arriscado. Um empresário de pequeno porte querer pensar como um grande é ser bastante ingênuo, na raramente um otário. O grande nunca vai querer se igualar ao pequeno.

Vai que um dia uma empresa gigantesca compre a sua lojinha e você, que pensava ser um empresário com possibilidades de crescimento acelerado e que usou a sua condição para obter prestígio social, vai se tornar um reles empregado da empresa gigante, tendo que viver de maneira análoga a qualquer servente da empresa, eliminando o seu sonho infantil de querer olhar o mundo do alto.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os desafios de uma Administração progressista e humanitária

Hoje, a Administração necessita urgentemente de uma novíssima fase. Mesmo com as mudanças feitas, a teoria e a prática da Administração ainda tem velhos estereótipos em sua base. Essencialmente mudou muito pouco. A Administração ainda está muito vinculada ao Capitalismo e ao ganancioso desejo pelo lucro. 
Os novos teóricos que se manifestam falam em humanismo, que pessoas são o principal ativo das empresas e bla-bla-bla, mas se vê que na prática a coisa é bem diferente. As faculdades de Administração, ao invés de serem polos de formação de gestores, acabam sendo uma fábrica de a aspirantes a magnatas egoístas, gananciosos e preconceituosos. Confundem arrivismo com ambição. É preciso parar com esta mentalidade infelizmente arraigada à ideia de Administração.
O Capitalismo está velho e acabado. Tenta melhorar a sua aparência, modernizar a sua capacidade de sedução, mas não consegue enxergar que a realidade atual exige pessoas realmente altruístas (sem a hipocrisia do assistencialismo p…

Reforma trabalhista destrói mito da Meritocracia

Hoje eu vou dar uma de Poliana, aquela personagem de conto de fada que via o lado positivo até mesmo na desgraça. A Reforma Trabalhista, que elimina muitos direitos dos trabalhadores, reduzindo o trabalho aos níveis da informalidade, tem um lado bom: cala a voz dos conservadores, que na poderão mais usar o falso mito da Meritocracia para justificar suas crenças.
Para quem chegou a este blog por meio deste texto, Meritocracia é a tese fantasiosa que alega que se um empregado cumprir todas a rotina do trabalho, obedecer ao patrão e seguir rigorosamente as regras do mercado, ele enriquecerá e virará um magnata. Pura lenda.
A Reforma Trabalhista destrói de uma vez por todas a Meritocracia e arranca a máscara de boa índole de empresários, executivos e dos conservadores que os defendem. Vários pontos da reforma deixam bem claro que o trabalhador terá a mesma fragilidade do trabalho informal (como se vê no camelô) e a possibilidade de perder até mesmo o direito a salário é real. Mesmo não e…

Renova Brasil: não caia nesta cilada

Uma iniciativa criada por um grupo formado pelos empresários mais ricos do país, chamada de Renova Brasil, ou Renova BR, tem a finalidade de preparar lideranças comprometidas com o neoliberalismo e que criem meios sutis de evitar a justa redistribuição de renda e o progresso de instituições brasileiras, o que poderia ameaçar a  hegemonia das grandes corporações do "Primeiro Mundo" e que prejudique os interesses particulares destes mesmos empresários.
Fracasso nas regiões onde a burguesia não é maioria
Esta iniciativa, criada para tentar salvar o neoliberalismo, que sofreu danos com a crise econômica de 2008, que se mostra um verdadeiro fracasso nas regiões onde a burguesia não domina, é liderada por Eduardo Mufarej, presidente da Somos Educação e tem o Luciano Huck como um dos patrocinadores e garoto propaganda de iniciativa. O ancião Abílio Diniz, o publicitário Nizan Guanaez (que pediu para o "mordomo" do Golpe de 2016, Michel Temer, aproveitar a impopularidade p…