Pular para o conteúdo principal

Precisamos falar sobre a ganância

A ganância é um dos maiores problemas da humanidade. Se achar melhor do que os outros e por isso querer ter mais que a maioria da população tem feito grandes estragos por toda a história mundial. Ninguém fala, mas a ganância é a base de qualquer tipo de guerra. É a base ideológica da lei do mais forte, o estranho "direito" do grande pisar no pequeno.

Teóricos de Administração e Economia não gostam de falar em ganância por acharem um conceito subjetivo, ligado á moralidade. Mas é preciso não fecharmos os olhos diante da ganância, pois a economia precisa estar em movimento para existir e a ganância retém renda e bens nas contas de magnatas tirando de circulação do cotidiano econômico da sociedade.

A reforma trabalhista aprovada recentemente na CCJ é na verdade a transformação da ganância em lei. A exploração do mais fraco, antes proibida pela CLT, agora foi totalmente liberada para o empresariado. Mente quem diz que a reforma trabalhista não vai tirar direitos. Mas quem conhece o empresariado brasileiro, representado pelos políticos de linha conservadora, sabe que é justamente para tirar direitos que a reforma foi proposta e está sendo aprovada.

O empresariado brasileiro é tradicionalmente ganancioso por educação. Cresceu acreditando que como empresário, teria "mais direitos" (privilégios) que os demais. No topo do poder, sem alguém superior para lhes controlar, ignora os limites do respeito humanitário e comete seus abusos, transformando seus subalternos em gado a realizar o trabalho que não quer fazer, mas gerar a grana que deve estar apenas em sua mão. Ou seja, o empresário lucra através do esforço alheio.

As leis trabalhistas que estão sendo derrubadas e substituídas por outras análogas ao que havia antes da CLT tentavam a muito custo dar ao trabalhador o direito de receber pelo trabalho realizado. Por mais que o empresário alegue que o trabalho de gestor seja difícil, não é tão exaustivo e arriscado quanto o trabalho braçal. 

A responsabilidade de controlar o funcionamento de uma corporação ou empresa é uma missão e não um privilégio. Isso não justifica a ganância e o sádico desejo de exploração alheia. Seria muito bom que, mesmo que o trabalhador ganhasse menos que o empresário, a distância de valor econômico do ganho entre eles fosse bem menor. Até porque o trabalho tem um valor e ele deve ser justo e adequado, garantindo uma vida relativamente confortável ao trabalhador.

Basta uma reflexão detalhada e atenta para que percebamos que a ganância de uns poucos é nociva a todos, inclusive para os próprios gananciosos, alvos de cobiça alheia que se obrigam a viver isolados do resto da humanidade na ânsia tola de agarrar seus privilégios como uma criança qe agarra seu brinquedo favorito. Ao longo prazo os gananciosos perceberão também que renda estagnada leva a falência da economia, sendo a verdadeira raiz de toda e qualquer crise. 

Se a ganância é a raiz das crises, podemos estar diante de uma solução relativamente fácil para acabar com elas: eliminar a ganância e fazer a economia circular. E nada melhor do que fazer a economia se movimentar com a melhoria na distribuição de renda. com o tempo o lucro sempre aparece para quem o deseja. um lucro justo e não ganancioso. Um lucro que gera benefícios a todos e não o abusivo que só serve para pagar o supérfluo luxo dos mais ricos, as custas do sofrimento alheio. Pensem nisso.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os desafios de uma Administração progressista e humanitária

Hoje, a Administração necessita urgentemente de uma novíssima fase. Mesmo com as mudanças feitas, a teoria e a prática da Administração ainda tem velhos estereótipos em sua base. Essencialmente mudou muito pouco. A Administração ainda está muito vinculada ao Capitalismo e ao ganancioso desejo pelo lucro. 
Os novos teóricos que se manifestam falam em humanismo, que pessoas são o principal ativo das empresas e bla-bla-bla, mas se vê que na prática a coisa é bem diferente. As faculdades de Administração, ao invés de serem polos de formação de gestores, acabam sendo uma fábrica de a aspirantes a magnatas egoístas, gananciosos e preconceituosos. Confundem arrivismo com ambição. É preciso parar com esta mentalidade infelizmente arraigada à ideia de Administração.
O Capitalismo está velho e acabado. Tenta melhorar a sua aparência, modernizar a sua capacidade de sedução, mas não consegue enxergar que a realidade atual exige pessoas realmente altruístas (sem a hipocrisia do assistencialismo p…

Reforma trabalhista destrói mito da Meritocracia

Hoje eu vou dar uma de Poliana, aquela personagem de conto de fada que via o lado positivo até mesmo na desgraça. A Reforma Trabalhista, que elimina muitos direitos dos trabalhadores, reduzindo o trabalho aos níveis da informalidade, tem um lado bom: cala a voz dos conservadores, que na poderão mais usar o falso mito da Meritocracia para justificar suas crenças.
Para quem chegou a este blog por meio deste texto, Meritocracia é a tese fantasiosa que alega que se um empregado cumprir todas a rotina do trabalho, obedecer ao patrão e seguir rigorosamente as regras do mercado, ele enriquecerá e virará um magnata. Pura lenda.
A Reforma Trabalhista destrói de uma vez por todas a Meritocracia e arranca a máscara de boa índole de empresários, executivos e dos conservadores que os defendem. Vários pontos da reforma deixam bem claro que o trabalhador terá a mesma fragilidade do trabalho informal (como se vê no camelô) e a possibilidade de perder até mesmo o direito a salário é real. Mesmo não e…

Renova Brasil: não caia nesta cilada

Uma iniciativa criada por um grupo formado pelos empresários mais ricos do país, chamada de Renova Brasil, ou Renova BR, tem a finalidade de preparar lideranças comprometidas com o neoliberalismo e que criem meios sutis de evitar a justa redistribuição de renda e o progresso de instituições brasileiras, o que poderia ameaçar a  hegemonia das grandes corporações do "Primeiro Mundo" e que prejudique os interesses particulares destes mesmos empresários.
Fracasso nas regiões onde a burguesia não é maioria
Esta iniciativa, criada para tentar salvar o neoliberalismo, que sofreu danos com a crise econômica de 2008, que se mostra um verdadeiro fracasso nas regiões onde a burguesia não domina, é liderada por Eduardo Mufarej, presidente da Somos Educação e tem o Luciano Huck como um dos patrocinadores e garoto propaganda de iniciativa. O ancião Abílio Diniz, o publicitário Nizan Guanaez (que pediu para o "mordomo" do Golpe de 2016, Michel Temer, aproveitar a impopularidade p…