Pular para o conteúdo principal

Para população, grande empresariado age como o quitandeiro da esquina que ela conhece

A população brasileira tem uma confiança cega no grande empresariado, o que favoreceu o surgimento de uma onda neoconservadora que legitima as desigualdades sociais. A maioria da população, mesmo os mais pobres, estes por boa fé, passaram a ter sintonia total com a ideologia das grandes empresas. Porque isso acontece?

Na verdade, as pessoas não estão muito bem informadas sobre o pepel dos grandes empresários na política brasileira.O caso JBS revelou um surpreendente envolvimento do grande empresariado com esquemas corrupção. Mas o senso comum continua a tratar como caso isolado, como se não fosse regra empresários de grande porte se envolverem em corrupção. A imagem consagrada dos grandes empresários é a de coitados que dependem da misericórdia dos governos para poderem movimentar a economia.

A população menos informada, só conhece o que está ao seu alcance. Como ela não sabe do que acontece nos bastidores das grandes empresas, imagina ser similar ao que acontece nas quitandas e lojas da esquina. Veem os donos de mercearias, honestos e com poucos recursos, sofrendo para administrar suas pequenas empresas e começam a achar que nas grandes acontece o mesmo, só que em proporções maiores. Como não veem pequenos e médios gestores envolvidos em escândalos, acreditam que os grandes também não se envolvam.

Esta crença acaba por criar uma espécie de "síndrome de Estocolmo" na população, perante os grandes empresários. O dono de uma gigantesca corporação parece igual ao quitandeiro da esquina, só que em dimensões maiores, o que aumenta ainda mais o sentimento de piedade que a população tem dos grandes empresários.

Por isso que há muita gente pobre defendendo os grandes empresários como se estes fossem uns coitados que sofrem imensamente para manter as suas empresas. Isso não é verdade porque os maiores empresários tem condições extremamente favoráveis, e algumas delas nada lícitas, para manter as suas gestões. 

Ou seja, é ilusão achar que os grandes empresários passam pelas mesma dificuldades dos pequenos. As imensas fortunas em seus patrimônios e o poder de interferir na política com mãos de ferro e moedas de ouro elimina gigantesca parte da dificuldade que é rotineira para  pequeno gestor, que ingenuamente se considera igual ao grande, por também acreditar na crença da dificuldade multiplicada.

Grandes gestores ainda contam com o apoio de governos e de especuladores, fazendo com que altas quantias de dinheiro continuem a circular por suas mãos, impedindo que se tornem, por exemplo, mendigos quando houver algum tipo de falência de suas empresas.

Devemos sempre nos manter informados e entender que os grandes e gigantescos gestores se diferem bastante dos micros, pequenos e médios gestores, inclusive pertencendo a classes sociais muito diferenciadas. É preciso para aqueles que não são grandes terem a humildade de não utilizar o rótulo de "empresários" para se colocar acima de outros trabalhadores. Os grandes empresários não estão interessados em se igualar a quem não é como eles, mesmo que compartilhe os rótulos e experiências típicas de um gestor.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Renova Brasil: não caia nesta cilada

Uma iniciativa criada por um grupo formado pelos empresários mais ricos do país, chamada de Renova Brasil, ou Renova BR, tem a finalidade de preparar lideranças comprometidas com o neoliberalismo e que criem meios sutis de evitar a justa redistribuição de renda e o progresso de instituições brasileiras, o que poderia ameaçar a  hegemonia das grandes corporações do "Primeiro Mundo" e que prejudique os interesses particulares destes mesmos empresários.
Fracasso nas regiões onde a burguesia não é maioria
Esta iniciativa, criada para tentar salvar o neoliberalismo, que sofreu danos com a crise econômica de 2008, que se mostra um verdadeiro fracasso nas regiões onde a burguesia não domina, é liderada por Eduardo Mufarej, presidente da Somos Educação e tem o Luciano Huck como um dos patrocinadores e garoto propaganda de iniciativa. O ancião Abílio Diniz, o publicitário Nizan Guanaez (que pediu para o "mordomo" do Golpe de 2016, Michel Temer, aproveitar a impopularidade p…

Os desafios de uma Administração progressista e humanitária

Hoje, a Administração necessita urgentemente de uma novíssima fase. Mesmo com as mudanças feitas, a teoria e a prática da Administração ainda tem velhos estereótipos em sua base. Essencialmente mudou muito pouco. A Administração ainda está muito vinculada ao Capitalismo e ao ganancioso desejo pelo lucro. 
Os novos teóricos que se manifestam falam em humanismo, que pessoas são o principal ativo das empresas e bla-bla-bla, mas se vê que na prática a coisa é bem diferente. As faculdades de Administração, ao invés de serem polos de formação de gestores, acabam sendo uma fábrica de a aspirantes a magnatas egoístas, gananciosos e preconceituosos. Confundem arrivismo com ambição. É preciso parar com esta mentalidade infelizmente arraigada à ideia de Administração.
O Capitalismo está velho e acabado. Tenta melhorar a sua aparência, modernizar a sua capacidade de sedução, mas não consegue enxergar que a realidade atual exige pessoas realmente altruístas (sem a hipocrisia do assistencialismo p…

Reforma trabalhista destrói mito da Meritocracia

Hoje eu vou dar uma de Poliana, aquela personagem de conto de fada que via o lado positivo até mesmo na desgraça. A Reforma Trabalhista, que elimina muitos direitos dos trabalhadores, reduzindo o trabalho aos níveis da informalidade, tem um lado bom: cala a voz dos conservadores, que na poderão mais usar o falso mito da Meritocracia para justificar suas crenças.
Para quem chegou a este blog por meio deste texto, Meritocracia é a tese fantasiosa que alega que se um empregado cumprir todas a rotina do trabalho, obedecer ao patrão e seguir rigorosamente as regras do mercado, ele enriquecerá e virará um magnata. Pura lenda.
A Reforma Trabalhista destrói de uma vez por todas a Meritocracia e arranca a máscara de boa índole de empresários, executivos e dos conservadores que os defendem. Vários pontos da reforma deixam bem claro que o trabalhador terá a mesma fragilidade do trabalho informal (como se vê no camelô) e a possibilidade de perder até mesmo o direito a salário é real. Mesmo não e…