Pular para o conteúdo principal

Crença na equiparação de grandes e pequenos faz população ter piedade de grandes gestores, criando um pensamento conservador

Para a população, os grandes empresários são iguais aos pequenos. Porque os pequenos é que fazem parte da realidade da população. Os pequenos sofrem para manter seus negócios e costumam ser honestos, trabalhadores e não raramente altruístas. Os gestores de micro, pequeno e médio porte são realmente onde se pode ver exemplos de boa e excelente gestão.

Como falei acima, é o que a população consegue ver. A noção de empresariado da população mais leiga é o que ela conhece pessoalmente. Portanto, para a população em geral, empresários são trabalhadores, honestos, humildes e altruístas. E é desta forma que imaginam ser também os grandes.

As pessoas comuns não sabem como funciona o grande empresariado porque não tem acesso aos seus bastidores. Se baseiam no que conhecem, o que faz com que consigam enxergar no poderoso empresário aquele humilde quitandeiro da esquina. Mas um quitandeiro em proporções colossais. Se acham que o quitandeiro sofre, acreditam que o poderoso empresário sofra ainda mais. O que gera um sentimento de piedade em relação ao grande empresário e a defesa  do direito deste de ser ganancioso. Afinal, se "sofre" mais, merece ganhar mais.

Para os mais leigos, o mesmo sofrimento do pequeno gestor é multiplicado e multi-dimensionado para o grande gestor. O grande empresário é visto como uma pessoa que tem que controlar uma estrutura colossal que possui muito mais problemas e recursos para serem observador. 

Ignoram os leigos que grandes empresários - isso os mais honestos e trabalhadores - não administram sozinhos, geralmente tendo sócios ou fazendo parte de uma junta ou ainda contratando outros gestores para controlar o colossal negócio. E os gestores mais malandros (algo bem comum, infelizmente) normalmente nem administram, pois pagam outros para administrar e se limitam a fiscalizar e dar ordens, geralmente com o celular usado dentro de suas caríssimas mansões.

Mas a crença em super-gestores heroicos faz com que nasça na população uma certa solidariedade com o grande empresariado que se converte num conservadorismo alienado e na surreal defesa da ganância (mas sem utilizar essa palavra), acreditando que o poderoso gestor tem direito de ganhar muito mais que os outros porque, na ilusão dos leigos admiradores, sofre muito mais.

Isso facilita o pensamento conservador e a defesa de um sistema injusto com renda e direitos mal distribuídos, além da ilusão de crescimento relativamente fácil dos menos favorecidos. Um pensamento que faria sentido nos primórdios da Revolução Industrial mas que hoje soam um tanto cruéis e completamente incompatíveis com os tempos modernos que exigem maior altruísmo e cooperação.

O golpe político que houve no Brasil em 2016 e a polarização gerada por ele faz com que muita gente tenha uma visão torta da realidade, elegendo como "tutores" justamente aqueles que são mais gananciosos. Pois mal sabem eles que a ganância é a finalidade e o arrivismo é a regra, para os grandes gestores, muito mais interessados em acumular bens e poder. 

Ilusão achar que no topo da pirâmide residam pessoas tão batalhadoras, humildes e generosas como o quitandeiro da esquina. É aceitar cegamente toda a injustiça que se prepara para destruir a economia de nosso país e o cotidiano de nossa população. Incluindo aquele quitandeiro que sofre tanto quanto o mais raso funcionário a ser esmagado pela ganância dos maiores gestores instalados no país.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os desafios de uma Administração progressista e humanitária

Hoje, a Administração necessita urgentemente de uma novíssima fase. Mesmo com as mudanças feitas, a teoria e a prática da Administração ainda tem velhos estereótipos em sua base. Essencialmente mudou muito pouco. A Administração ainda está muito vinculada ao Capitalismo e ao ganancioso desejo pelo lucro. 
Os novos teóricos que se manifestam falam em humanismo, que pessoas são o principal ativo das empresas e bla-bla-bla, mas se vê que na prática a coisa é bem diferente. As faculdades de Administração, ao invés de serem polos de formação de gestores, acabam sendo uma fábrica de a aspirantes a magnatas egoístas, gananciosos e preconceituosos. Confundem arrivismo com ambição. É preciso parar com esta mentalidade infelizmente arraigada à ideia de Administração.
O Capitalismo está velho e acabado. Tenta melhorar a sua aparência, modernizar a sua capacidade de sedução, mas não consegue enxergar que a realidade atual exige pessoas realmente altruístas (sem a hipocrisia do assistencialismo p…

Reforma trabalhista destrói mito da Meritocracia

Hoje eu vou dar uma de Poliana, aquela personagem de conto de fada que via o lado positivo até mesmo na desgraça. A Reforma Trabalhista, que elimina muitos direitos dos trabalhadores, reduzindo o trabalho aos níveis da informalidade, tem um lado bom: cala a voz dos conservadores, que na poderão mais usar o falso mito da Meritocracia para justificar suas crenças.
Para quem chegou a este blog por meio deste texto, Meritocracia é a tese fantasiosa que alega que se um empregado cumprir todas a rotina do trabalho, obedecer ao patrão e seguir rigorosamente as regras do mercado, ele enriquecerá e virará um magnata. Pura lenda.
A Reforma Trabalhista destrói de uma vez por todas a Meritocracia e arranca a máscara de boa índole de empresários, executivos e dos conservadores que os defendem. Vários pontos da reforma deixam bem claro que o trabalhador terá a mesma fragilidade do trabalho informal (como se vê no camelô) e a possibilidade de perder até mesmo o direito a salário é real. Mesmo não e…

Renova Brasil: não caia nesta cilada

Uma iniciativa criada por um grupo formado pelos empresários mais ricos do país, chamada de Renova Brasil, ou Renova BR, tem a finalidade de preparar lideranças comprometidas com o neoliberalismo e que criem meios sutis de evitar a justa redistribuição de renda e o progresso de instituições brasileiras, o que poderia ameaçar a  hegemonia das grandes corporações do "Primeiro Mundo" e que prejudique os interesses particulares destes mesmos empresários.
Fracasso nas regiões onde a burguesia não é maioria
Esta iniciativa, criada para tentar salvar o neoliberalismo, que sofreu danos com a crise econômica de 2008, que se mostra um verdadeiro fracasso nas regiões onde a burguesia não domina, é liderada por Eduardo Mufarej, presidente da Somos Educação e tem o Luciano Huck como um dos patrocinadores e garoto propaganda de iniciativa. O ancião Abílio Diniz, o publicitário Nizan Guanaez (que pediu para o "mordomo" do Golpe de 2016, Michel Temer, aproveitar a impopularidade p…