Pular para o conteúdo principal

No Brasil, administradores se preocupam mais em ficar ricos do que administrar

Assistindo a alguns episódios da série Gigantes do Brasil do History Channell, a ideia que inevitavelmente vem à cabeça é a de que aqueles sim, eram empreendedores. Eles foram os que lutaram para que suas empresas pudessem crescer e oferecer serviços e produtos de qualidade. 

Mas este tempo passou. Embora a palavra "empreendedor" seja mais utilizada agora que na época, ela ganha hoje um sentido de hipocrisia, como se compensasse com um rótulo aquilo que não é feito na prática. 

Há empreendedorismo hoje? Sim, há, mas entre as pequenas e médias empresas. Mas elas nunca crescem o bastante. As grandes, poderosas, estabilizadas e sob um sistema de heranças (famílias) e sucessões (sócios), já não batalham mais. Sua ocupação está agora em se manter no topo. E para se manter no topo, pratica-se o arrivismo, alia-se ao poder político e não raramente toma atitudes reprováveis como afrouxar nas relações de trabalho (escravidão?).

Na verdade, a função de empresário, executivo e administrador foi glamourizada a ponto de atrair majoritariamente arrivistas para estas carreiras. O administrador não é mais aquele que deseja administrar. Administrador passou a ser o cara que quer ficar rico. Muito rico. Ricaço! Podre de rico!

Faculdades de Administração formando arrivistas

Claro que o empresariado em geral esconde esta triste realidade. Empresários necessitam de reputação e tomam o mínimo cuidado para que a sociedade não veja o seu verdadeiro lado obscuro. Para a opinião pública, empresários tem responsabilidade social e cívica com as localidades onde estão instalados e vivem apenas para administrar as suas empresas. Eles precisam dessa imagem positiva para dominar, influenciar e lucrar. A imagem que transmitem seria linda se fosse real.

Faculdades de Administração estão infestadas de arrivistas. Já escutei coisas horríveis vindo das bocas de quem pretende trabalhar como administrador. Não vou nem citar porque aqui é um blog sério, feito para pessoas responsáveis. Mas se eu dissesse o que eu ouvi e li, quem tem o mínimo de senso de humanidade irá se escandalizar.

A função do administrador ficou estigmatizada como trampolim social. Faculdades de Administração passaram a ser vistas como fábricas de magnatas. Não é coincidência o fato de que nestas faculdades predomina o pensamento de direita, a lei do mais forte. A lei que mantém a "senzala" acorrentada a "casa grande". Sim, é revoltante, mas é a realidade triste do mundo da Administração.

Noto uma clara queda de qualidade em produtos e serviços, até mesmo em empresas consagradas. Os líderes de hoje não tem mais a responsabilidade dos líderes de outrora. Muitos, salvo admiráveis exceções, usam a carreira de administrador para acumular bens e chegar ao poder econômico, para não dizer político. Grandes empresários brasileiros mandam na política. O que aconteceu na política do Brasil neste ano é uma ótima comprovação disto.

Por isso, ao assistir a série de documentários do History sobre os antigos empreendedores brasileiros, é impossível não suspirar nostalgicamente. Ficou no passado a vocação de administrar? Será que nossas honrosas exceções atuais terão condições de crescer e mostrar aos grandes que administrar é muito melhor do que ter poder e acumular bens? O verdadeiro empreendedorismo, com responsabilidades administrativa e social, é possível no mundo atual?

É muito bom lembrar que o verdadeiro empreendedor não é arrivista e nunca se mete com o poder político. Deixa a política para os políticos. Pois administrar uma empresa é algo complexo e de alta responsabilidade. Se preocupar com a mesquinhez de usar a carreira para subir na vida mais do que deveria é além de desviar o foco, um desprezo pela sociedade que necessita de serviços e produtos cada vez melhores, duráveis e seguros e de lideranças mais altruístas. 

Novos tempos pedem empreendedores mais responsáveis. O curioso que é justamente no passado mais remoto que existiam os empreendedores que precisamos para os dias de hoje.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os desafios de uma Administração progressista e humanitária

Hoje, a Administração necessita urgentemente de uma novíssima fase. Mesmo com as mudanças feitas, a teoria e a prática da Administração ainda tem velhos estereótipos em sua base. Essencialmente mudou muito pouco. A Administração ainda está muito vinculada ao Capitalismo e ao ganancioso desejo pelo lucro. 
Os novos teóricos que se manifestam falam em humanismo, que pessoas são o principal ativo das empresas e bla-bla-bla, mas se vê que na prática a coisa é bem diferente. As faculdades de Administração, ao invés de serem polos de formação de gestores, acabam sendo uma fábrica de a aspirantes a magnatas egoístas, gananciosos e preconceituosos. Confundem arrivismo com ambição. É preciso parar com esta mentalidade infelizmente arraigada à ideia de Administração.
O Capitalismo está velho e acabado. Tenta melhorar a sua aparência, modernizar a sua capacidade de sedução, mas não consegue enxergar que a realidade atual exige pessoas realmente altruístas (sem a hipocrisia do assistencialismo p…

Reforma trabalhista destrói mito da Meritocracia

Hoje eu vou dar uma de Poliana, aquela personagem de conto de fada que via o lado positivo até mesmo na desgraça. A Reforma Trabalhista, que elimina muitos direitos dos trabalhadores, reduzindo o trabalho aos níveis da informalidade, tem um lado bom: cala a voz dos conservadores, que na poderão mais usar o falso mito da Meritocracia para justificar suas crenças.
Para quem chegou a este blog por meio deste texto, Meritocracia é a tese fantasiosa que alega que se um empregado cumprir todas a rotina do trabalho, obedecer ao patrão e seguir rigorosamente as regras do mercado, ele enriquecerá e virará um magnata. Pura lenda.
A Reforma Trabalhista destrói de uma vez por todas a Meritocracia e arranca a máscara de boa índole de empresários, executivos e dos conservadores que os defendem. Vários pontos da reforma deixam bem claro que o trabalhador terá a mesma fragilidade do trabalho informal (como se vê no camelô) e a possibilidade de perder até mesmo o direito a salário é real. Mesmo não e…

Renova Brasil: não caia nesta cilada

Uma iniciativa criada por um grupo formado pelos empresários mais ricos do país, chamada de Renova Brasil, ou Renova BR, tem a finalidade de preparar lideranças comprometidas com o neoliberalismo e que criem meios sutis de evitar a justa redistribuição de renda e o progresso de instituições brasileiras, o que poderia ameaçar a  hegemonia das grandes corporações do "Primeiro Mundo" e que prejudique os interesses particulares destes mesmos empresários.
Fracasso nas regiões onde a burguesia não é maioria
Esta iniciativa, criada para tentar salvar o neoliberalismo, que sofreu danos com a crise econômica de 2008, que se mostra um verdadeiro fracasso nas regiões onde a burguesia não domina, é liderada por Eduardo Mufarej, presidente da Somos Educação e tem o Luciano Huck como um dos patrocinadores e garoto propaganda de iniciativa. O ancião Abílio Diniz, o publicitário Nizan Guanaez (que pediu para o "mordomo" do Golpe de 2016, Michel Temer, aproveitar a impopularidade p…