Pular para o conteúdo principal

Direitistas misturam pessoa física e pessoa jurídica de poderosos empresários

Nos tempos do Orkut, entrei em uma discussão com um direitista que achava que para a empresa poder realizar as suas tarefas de forma plena, possuindo renda suficiente para ser mantida, seus donos teriam que viver com magnatas, com uma vida cheia de excessivos e caríssimos supérfluos. Eu tentei explicar que os empresários não precisavam ser ricos, a empresa é que tinha que ser rica, mas ele não entendeu e a discussão ficou nisso, com o tal direitista defendendo o "direito" do empresário viver com magnata.

Acontece que para muitos direitistas - acredito que todos pensem assim - não há separação entre a pessoa jurídica e a pessoa física no caso de grandes empresários. Os pequenos e médios continuam a ralar sem ter o privilégio de utilizar a confusão entre PF e PJ a seu favor. Mas os grandes e gigantescos empresários se dão muito bem com esta confusão. 

Além de poderem utilizá-la para justificar o fato de serem podres de ricos, empresários brasileiros de grande e gigantesco portes são favorecidos por uma lei que surgiu no governo de FHC, um direitista enrustido que os brasileiros mais ricos consideram "o melhor presidente brasileiro de todos os tempos", ignorando que foi ele que arrebentou com o Brasil, quase elevando a falência. Mas Lula, que tentou consertar a economia do Brasil (Lula não tem diploma, mas possuiu uma sensatez e nível de conhecimento quase perfeitos), acabou levando a culpa, pois estava no poder quando os sintomas da desastrosa gestão FHC começaram a aparecer.

FHC decidiu que as maiores empresas do Brasil (e as gringas instaladas no Brasil) só pagariam os impostos pela pessoa jurídica. Ou seja, os poderosos empresários, pessoalmente estariam livres de pagar impostos. Empresários pagariam apenas o que estivesse em nome de suas empresas. Seu patrimônio pessoal, no entanto, não seria mexido em um único centavo.

Empresários não pagam imposto: recebem imposto

Para piorar, no Brasil, empresários além de não pagar imposto, recebem imposto. Isso mesmo que você leu. Empresários recebem imposto. O imposto que você, amigo cidadão que não é rico, paga pode estar indo para as contas de poderosos empresários, que já possuem outros meios de obter renda. É que governos costumam ajudar empresas em épocas de crise. Vários empresários já contam com esta ajuda, principalmente quando começam a perder a clientela, seja pelo elevado preço cobrado ou pela queda da qualidade nos produtos e serviços oferecidos. Por isso que muitas empresas não caem, mesmo em sua pior fase.

Tudo isso significa que na discussão que eu tive com o tal direitista, eu estava correto. Sabe-se muito bem que empresários, além de terem gordos lucros, aumentam a sua renda através do chamado rentismo, utilizando especulações financeiras para multiplicar drasticamente os lucros obtidos. E que empresários geralmente aplicam a maior parte de suas rendas em suas vidas particulares, reservando muito pouco para as empresas, apenas o valor exato de acordo com o que pretendem fazer com elas.

É preciso fazer alguma coisa para limitar os abusos dos empresários mais ricos. Administração não é brincadeira e muito menos um meio de pessoas passarem por cima das outras pessoas, por se acharem acima do "resto" da humanidade. A má distribuição de renda e a intromissão de empresários nas decisões mais importantes para a sociedade tem feito grandes estragos e perpetuando problemas. 

Não é de se estranhar que ainda temos os mesmos problemas de 100 anos atrás. A ganância empresarial do passado ainda assombra a nossa sociedade, protegida pelas leis baseadas na falácia de que empresários possuem direitos que os outros não possuem.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Renova Brasil: não caia nesta cilada

Uma iniciativa criada por um grupo formado pelos empresários mais ricos do país, chamada de Renova Brasil, ou Renova BR, tem a finalidade de preparar lideranças comprometidas com o neoliberalismo e que criem meios sutis de evitar a justa redistribuição de renda e o progresso de instituições brasileiras, o que poderia ameaçar a  hegemonia das grandes corporações do "Primeiro Mundo" e que prejudique os interesses particulares destes mesmos empresários.
Fracasso nas regiões onde a burguesia não é maioria
Esta iniciativa, criada para tentar salvar o neoliberalismo, que sofreu danos com a crise econômica de 2008, que se mostra um verdadeiro fracasso nas regiões onde a burguesia não domina, é liderada por Eduardo Mufarej, presidente da Somos Educação e tem o Luciano Huck como um dos patrocinadores e garoto propaganda de iniciativa. O ancião Abílio Diniz, o publicitário Nizan Guanaez (que pediu para o "mordomo" do Golpe de 2016, Michel Temer, aproveitar a impopularidade p…

Os desafios de uma Administração progressista e humanitária

Hoje, a Administração necessita urgentemente de uma novíssima fase. Mesmo com as mudanças feitas, a teoria e a prática da Administração ainda tem velhos estereótipos em sua base. Essencialmente mudou muito pouco. A Administração ainda está muito vinculada ao Capitalismo e ao ganancioso desejo pelo lucro. 
Os novos teóricos que se manifestam falam em humanismo, que pessoas são o principal ativo das empresas e bla-bla-bla, mas se vê que na prática a coisa é bem diferente. As faculdades de Administração, ao invés de serem polos de formação de gestores, acabam sendo uma fábrica de a aspirantes a magnatas egoístas, gananciosos e preconceituosos. Confundem arrivismo com ambição. É preciso parar com esta mentalidade infelizmente arraigada à ideia de Administração.
O Capitalismo está velho e acabado. Tenta melhorar a sua aparência, modernizar a sua capacidade de sedução, mas não consegue enxergar que a realidade atual exige pessoas realmente altruístas (sem a hipocrisia do assistencialismo p…

Reforma trabalhista destrói mito da Meritocracia

Hoje eu vou dar uma de Poliana, aquela personagem de conto de fada que via o lado positivo até mesmo na desgraça. A Reforma Trabalhista, que elimina muitos direitos dos trabalhadores, reduzindo o trabalho aos níveis da informalidade, tem um lado bom: cala a voz dos conservadores, que na poderão mais usar o falso mito da Meritocracia para justificar suas crenças.
Para quem chegou a este blog por meio deste texto, Meritocracia é a tese fantasiosa que alega que se um empregado cumprir todas a rotina do trabalho, obedecer ao patrão e seguir rigorosamente as regras do mercado, ele enriquecerá e virará um magnata. Pura lenda.
A Reforma Trabalhista destrói de uma vez por todas a Meritocracia e arranca a máscara de boa índole de empresários, executivos e dos conservadores que os defendem. Vários pontos da reforma deixam bem claro que o trabalhador terá a mesma fragilidade do trabalho informal (como se vê no camelô) e a possibilidade de perder até mesmo o direito a salário é real. Mesmo não e…