Pular para o conteúdo principal

Reforma trabalhista do governo golpista é tiro pela culatra

Infelizmente se admitiu tardiamente que o golpe não foi para combater a corrupção. Isso foi papo para angariar apoio popular ao golpe. Na verdade, o golpe foi imposto para salvar os interesses de magnatas brasileiros e estrangeiros, além de satisfazer a elite e a classe média brasileiras em relação as suas convicções e expectativas.

Várias medidas estão sendo impostas à população para proteger os interesses da chamada "Casa Grande", que curiosamente é composta majoritariamente por corruptos. Para salvar a ganância dos capitalistas, optou-se por sacrificar a população , pois é muito mais fácil degolar o fraco para se salvar qualquer sistema.

Entre as medidas amargas que farão a população - e não os capitalistas - sofrerem estão a PEC que limita gastos, a reforma da previdência e a aberração que os golpistas chamam de "modernização" das relações trabalhistas. Entende-se como "modernização" o retorno às condições trabalhistas que existiam antes da criação da CLT em um dos governos de Getúlio Vargas.

"Modernização" nada moderna

Não vou detalhar aqui sobre as características da tal "modernização" porque não tive a oportunidade de ler a proposta detalhadamente. Mas sei que as pessoas vão trabalhar mais e ganhar menos. Uma medida irracional que pode afundar a economia do contrário que pensam os seus idealizadores.

Para começar, a ideia de colocar o negociado acima da lei, apesar de boa, ignora o fato de que ela só funcionaria se todos, ou pelo menos a maioria dos patrões fosse altruísta. Não é. O "negociado" na verdade se traduz por "ou aceita a proposta do patrão ou o olho da rua é a serventia da casa". A CLT, mesmo antiga e imperfeita, pelo menos servia como freio para a ganância de empresários e patrões.

O aumento da carga horária do trabalho é mau negócio, pois priva o trabalhador de seu tempo livre, não somente para lazer mas para trabalhar por conta própria (trabalho não é sinônimo de emprego - arrumar a casa, lavar o carro são exemplos de trabalhos feitos pelo cidadão em seu tempo livre). O ideal seria que o trabalhador estivesse no emprego no máximo durante 6 horas. Nada mais, nada menos. 

Ah, lembrando que se considerarmos o deslocamento casa-trabalho-casa como parte da carga horária, o tempo aumenta drasticamente, pois sabemos que prefeitos estão pouco ou nada interessados em combater os engarrafamentos e melhorar a mobilidade urbana, se limitando a medidas pomposas como o ultra-festejado BRT, que é eficaz, mas pouco eficiente.

Redução da produtividade

A "modernização" das relações trabalhistas vai contra a ideia realmente moderna de que trabalhador feliz produz mais. O que Temer e a bancada que o apoia quer é deixar o trabalhador mais infeliz e cansado. A médio prazo as consequências da infeliz decisão começarão a aparecer, com redução na produção, gerada por diversos motivos como stress, doenças e até demissões, pois muitos trabalhadores pedirão demissão diante de condições tão desumanas de trabalho.

Isso sem falar na redução de salário que piorará a qualidade de vida para o trabalhador deixando-o ainda mais estressado e doente, piorando ainda mais a qualidade do serviço e o seu nível de produtividade.

A reforma trabalhista foi a pior ideia que o governo golpista de Michel Temer, com o apoio dos sempre gananciosos tucanos do PSDB, teve. O Brasil, que retoma a sua "vocação" de colônia de exploração, além de não se desenvolver, vai afundar cada vez mais, pois a modernização de fato é o que menos interessa para as mentes direitistas, interessados em uma volta ao passado e cujo senso de moralidade é o de 2000 anos atrás.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Reforma trabalhista destrói mito da Meritocracia

Hoje eu vou dar uma de Poliana, aquela personagem de conto de fada que via o lado positivo até mesmo na desgraça. A Reforma Trabalhista, que elimina muitos direitos dos trabalhadores, reduzindo o trabalho aos níveis da informalidade, tem um lado bom: cala a voz dos conservadores, que na poderão mais usar o falso mito da Meritocracia para justificar suas crenças.
Para quem chegou a este blog por meio deste texto, Meritocracia é a tese fantasiosa que alega que se um empregado cumprir todas a rotina do trabalho, obedecer ao patrão e seguir rigorosamente as regras do mercado, ele enriquecerá e virará um magnata. Pura lenda.
A Reforma Trabalhista destrói de uma vez por todas a Meritocracia e arranca a máscara de boa índole de empresários, executivos e dos conservadores que os defendem. Vários pontos da reforma deixam bem claro que o trabalhador terá a mesma fragilidade do trabalho informal (como se vê no camelô) e a possibilidade de perder até mesmo o direito a salário é real. Mesmo não e…

Os desafios de uma Administração progressista e humanitária

Hoje, a Administração necessita urgentemente de uma novíssima fase. Mesmo com as mudanças feitas, a teoria e a prática da Administração ainda tem velhos estereótipos em sua base. Essencialmente mudou muito pouco. A Administração ainda está muito vinculada ao Capitalismo e ao ganancioso desejo pelo lucro. 
Os novos teóricos que se manifestam falam em humanismo, que pessoas são o principal ativo das empresas e bla-bla-bla, mas se vê que na prática a coisa é bem diferente. As faculdades de Administração, ao invés de serem polos de formação de gestores, acabam sendo uma fábrica de a aspirantes a magnatas egoístas, gananciosos e preconceituosos. Confundem arrivismo com ambição. É preciso parar com esta mentalidade infelizmente arraigada à ideia de Administração.
O Capitalismo está velho e acabado. Tenta melhorar a sua aparência, modernizar a sua capacidade de sedução, mas não consegue enxergar que a realidade atual exige pessoas realmente altruístas (sem a hipocrisia do assistencialismo p…

Crença na equiparação de grandes e pequenos faz população ter piedade de grandes gestores, criando um pensamento conservador

Para a população, os grandes empresários são iguais aos pequenos. Porque os pequenos é que fazem parte da realidade da população. Os pequenos sofrem para manter seus negócios e costumam ser honestos, trabalhadores e não raramente altruístas. Os gestores de micro, pequeno e médio porte são realmente onde se pode ver exemplos de boa e excelente gestão.
Como falei acima, é o que a população consegue ver. A noção de empresariado da população mais leiga é o que ela conhece pessoalmente. Portanto, para a população em geral, empresários são trabalhadores, honestos, humildes e altruístas. E é desta forma que imaginam ser também os grandes.
As pessoas comuns não sabem como funciona o grande empresariado porque não tem acesso aos seus bastidores. Se baseiam no que conhecem, o que faz com que consigam enxergar no poderoso empresário aquele humilde quitandeiro da esquina. Mas um quitandeiro em proporções colossais. Se acham que o quitandeiro sofre, acreditam que o poderoso empresário sofra ainda…