Pular para o conteúdo principal

Grande Empresariado: a eterna desgraça da humanidade

Todo o processo de decadência social que estamos vendo após o golpe de estado de 2016 tem uma origem em comum: a crise capitalista resultante da ganância dos homens mais poderosos do mundo. É óbvio que bens e renda nas mãos de poucos, quando se tem imensas multidões que as mereça de igual modo, gerem graves danos, pois os luxuosos supérfluos dos magnatas impedem que as populações mais carentes tenham acesso ao minimo necessário.

Mas os magnatas não querem dar o braço a torcer e, capazes de subornar todo e qualquer tipo de gente, se estruturaram para criar uma imensa campanha difamatória que praticamente tira do caminho qualquer um que atrapalhe seus interesses gananciosos de quererem ser melhores que o "resto" da humanidade. Um campanha que infelizmente tem dado certo e desenterrado a barbárie e ideais fascistas que já deveriam ter sido esquecidos há muitas décadas.

Engana-se quem pensa que esta onda de ódio e ganância tenha nascido da classe política. Políticos não mandam no sistema capitalista. São na verdade laranjas (representantes ocultos) do grande empresariado. E os próprios políticos mais influentes são empresários. Cite os políticos mais conhecidos e perceberão que são todos donos de empresas.

Muitos empresários gananciosos (não falo dos pequenos e médios - sejamos jutos: há empresários que preferem ficar longe da influência política), mesmo não ocupando cargos políticos - pois acham que a influência deles sera maior longe desses cargos - exercem grande influência por meio de patrocínios e suborno, pois possuem quantidades de dinheiro capazes de fazer com que qualquer mortal possa se submeter às suas vontades.

Mas este é um fato ignorado por boa parte da sociedade, que ainda tem alta confiabilidade no empresariado, ainda tratado como um grupo de pobres trabalhadores a sofrer muito pelo pão de cada dia. Esta blindagem social dada aos grandes empresários, cuja responsabilidade é desviada para a classe política, que nunca passou de mera executora legal da ganância capitalista, tem ajudado muito no aumento da influência deles na política mundial, nacional, estadual e até municipal.

É triste saber que homens que deveriam estar preocupados em produzir mercadorias e serviços insistam em se meter na política para garantir a manutenção de seus gananciosos interesses, responsáveis pela perpetuação de muitos problemas e injustiças que estamos cansados de ver em nosso cotidiano daqui do lado de baixo da humanidade.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Reforma trabalhista destrói mito da Meritocracia

Hoje eu vou dar uma de Poliana, aquela personagem de conto de fada que via o lado positivo até mesmo na desgraça. A Reforma Trabalhista, que elimina muitos direitos dos trabalhadores, reduzindo o trabalho aos níveis da informalidade, tem um lado bom: cala a voz dos conservadores, que na poderão mais usar o falso mito da Meritocracia para justificar suas crenças.
Para quem chegou a este blog por meio deste texto, Meritocracia é a tese fantasiosa que alega que se um empregado cumprir todas a rotina do trabalho, obedecer ao patrão e seguir rigorosamente as regras do mercado, ele enriquecerá e virará um magnata. Pura lenda.
A Reforma Trabalhista destrói de uma vez por todas a Meritocracia e arranca a máscara de boa índole de empresários, executivos e dos conservadores que os defendem. Vários pontos da reforma deixam bem claro que o trabalhador terá a mesma fragilidade do trabalho informal (como se vê no camelô) e a possibilidade de perder até mesmo o direito a salário é real. Mesmo não e…

Os desafios de uma Administração progressista e humanitária

Hoje, a Administração necessita urgentemente de uma novíssima fase. Mesmo com as mudanças feitas, a teoria e a prática da Administração ainda tem velhos estereótipos em sua base. Essencialmente mudou muito pouco. A Administração ainda está muito vinculada ao Capitalismo e ao ganancioso desejo pelo lucro. 
Os novos teóricos que se manifestam falam em humanismo, que pessoas são o principal ativo das empresas e bla-bla-bla, mas se vê que na prática a coisa é bem diferente. As faculdades de Administração, ao invés de serem polos de formação de gestores, acabam sendo uma fábrica de a aspirantes a magnatas egoístas, gananciosos e preconceituosos. Confundem arrivismo com ambição. É preciso parar com esta mentalidade infelizmente arraigada à ideia de Administração.
O Capitalismo está velho e acabado. Tenta melhorar a sua aparência, modernizar a sua capacidade de sedução, mas não consegue enxergar que a realidade atual exige pessoas realmente altruístas (sem a hipocrisia do assistencialismo p…

Crença na equiparação de grandes e pequenos faz população ter piedade de grandes gestores, criando um pensamento conservador

Para a população, os grandes empresários são iguais aos pequenos. Porque os pequenos é que fazem parte da realidade da população. Os pequenos sofrem para manter seus negócios e costumam ser honestos, trabalhadores e não raramente altruístas. Os gestores de micro, pequeno e médio porte são realmente onde se pode ver exemplos de boa e excelente gestão.
Como falei acima, é o que a população consegue ver. A noção de empresariado da população mais leiga é o que ela conhece pessoalmente. Portanto, para a população em geral, empresários são trabalhadores, honestos, humildes e altruístas. E é desta forma que imaginam ser também os grandes.
As pessoas comuns não sabem como funciona o grande empresariado porque não tem acesso aos seus bastidores. Se baseiam no que conhecem, o que faz com que consigam enxergar no poderoso empresário aquele humilde quitandeiro da esquina. Mas um quitandeiro em proporções colossais. Se acham que o quitandeiro sofre, acreditam que o poderoso empresário sofra ainda…