Pular para o conteúdo principal

Grande Empresariado: a eterna desgraça da humanidade

Por Marcelo Pereira

Todo o processo de decadência social que estamos vendo após o golpe de estado de 2016 tem uma origem em comum: a crise capitalista resultante da ganância dos homens mais poderosos do mundo. É óbvio que bens e renda nas mãos de poucos, quando se tem imensas multidões que as mereça de igual modo, gerem graves danos, pois os luxuosos supérfluos dos magnatas impedem que as populações mais carentes tenham acesso ao minimo necessário.

Mas os magnatas não querem dar o braço a torcer e, capazes de subornar todo e qualquer tipo de gente, se estruturaram para criar uma imensa campanha difamatória que praticamente tira do caminho qualquer um que atrapalhe seus interesses gananciosos de quererem ser melhores que o "resto" da humanidade. Um campanha que infelizmente tem dado certo e desenterrado a barbárie e ideais fascistas que já deveriam ter sido esquecidos há muitas décadas.

Engana-se quem pensa que esta onda de ódio e ganância tenha nascido da classe política. Políticos não mandam no sistema capitalista. São na verdade laranjas (representantes ocultos) do grande empresariado. E os próprios políticos mais influentes são empresários. Cite os políticos mais conhecidos e perceberão que são todos donos de empresas.

Muitos empresários gananciosos (não falo dos pequenos e médios - sejamos jutos: há empresários que preferem ficar longe da influência política), mesmo não ocupando cargos políticos - pois acham que a influência deles sera maior longe desses cargos - exercem grande influência por meio de patrocínios e suborno, pois possuem quantidades de dinheiro capazes de fazer com que qualquer mortal possa se submeter às suas vontades.

Mas este é um fato ignorado por boa parte da sociedade, que ainda tem alta confiabilidade no empresariado, ainda tratado como um grupo de pobres trabalhadores a sofrer muito pelo pão de cada dia. Esta blindagem social dada aos grandes empresários, cuja responsabilidade é desviada para a classe política, que nunca passou de mera executora legal da ganância capitalista, tem ajudado muito no aumento da influência deles na política mundial, nacional, estadual e até municipal.

É triste saber que homens que deveriam estar preocupados em produzir mercadorias e serviços insistam em se meter na política para garantir a manutenção de seus gananciosos interesses, responsáveis pela perpetuação de muitos problemas e injustiças que estamos cansados de ver em nosso cotidiano daqui do lado de baixo da humanidade.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os desafios de uma Administração progressista e humanitária

Por Marcelo Pereira

Hoje, a Administração necessita urgentemente de uma novíssima fase. Mesmo com as mudanças feitas, a teoria e a prática da Administração ainda tem velhos estereótipos em sua base. Essencialmente mudou muito pouco. A Administração ainda está muito vinculada ao Capitalismo e ao ganancioso desejo pelo lucro. 
Os novos teóricos que se manifestam falam em humanismo, que pessoas são o principal ativo das empresas e bla-bla-bla, mas se vê que na prática a coisa é bem diferente. As faculdades de Administração, ao invés de serem polos de formação de gestores, acabam sendo uma fábrica de a aspirantes a magnatas egoístas, gananciosos e preconceituosos. Confundem arrivismo com ambição. É preciso parar com esta mentalidade infelizmente arraigada à ideia de Administração.
O Capitalismo está velho e acabado. Tenta melhorar a sua aparência, modernizar a sua capacidade de sedução, mas não consegue enxergar que a realidade atual exige pessoas realmente altruístas (sem a hipocrisia do…

Renova Brasil: não caia nesta cilada

Por Marcelo Pereira

Uma iniciativa criada por um grupo formado pelos empresários mais ricos do país, chamada de Renova Brasil, ou Renova BR, tem a finalidade de preparar lideranças comprometidas com o neoliberalismo e que criem meios sutis de evitar a justa redistribuição de renda e o progresso de instituições brasileiras, o que poderia ameaçar a  hegemonia das grandes corporações do "Primeiro Mundo" e que prejudique os interesses particulares destes mesmos empresários.
Fracasso nas regiões onde a burguesia não é maioria
Esta iniciativa, criada para tentar salvar o neoliberalismo, que sofreu danos com a crise econômica de 2008, que se mostra um verdadeiro fracasso nas regiões onde a burguesia não domina, é liderada por Eduardo Mufarej, presidente da Somos Educação e tem o Luciano Huck como um dos patrocinadores e garoto propaganda de iniciativa. O ancião Abílio Diniz, o publicitário Nizan Guanaez (que pediu para o "mordomo" do Golpe de 2016, Michel Temer, aproveitar…

Reforma trabalhista do governo golpista é tiro pela culatra

Por Marcelo Pereira

Infelizmente se admitiu tardiamente que o golpe não foi para combater a corrupção. Isso foi papo para angariar apoio popular ao golpe. Na verdade, o golpe foi imposto para salvar os interesses de magnatas brasileiros e estrangeiros, além de satisfazer a elite e a classe média brasileiras em relação as suas convicções e expectativas.
Várias medidas estão sendo impostas à população para proteger os interesses da chamada "Casa Grande", que curiosamente é composta majoritariamente por corruptos. Para salvar a ganância dos capitalistas, optou-se por sacrificar a população , pois é muito mais fácil degolar o fraco para se salvar qualquer sistema.
Entre as medidas amargas que farão a população - e não os capitalistas - sofrerem estão a PEC que limita gastos, a reforma da previdência e a aberração que os golpistas chamam de "modernização" das relações trabalhistas. Entende-se como "modernização" o retorno às condições trabalhistas que existiam…