Pular para o conteúdo principal

Ganância não é mais defeito: virou qualidade. Desde que você não a chame de "ganância"

Toda vez que eu ouço coisas desagradáveis sobre o Capitalismo e as crises e problemas resultantes, nunca ouço análises que sejam capazes de responsabilizar a ganância típica desse sistema pelos erros consequentes. Fica a impressão que para todos, o problema da ganância é subjetivo, algo que deve ser ignorado em análises mais técnicas e objetivas. 

Um erro, pois sabemos muito bem que a ganância não somente é a origem de grande parte dos erros capitalistas como também a base que sustenta este sistema. Não dá para ser capitalista sem ser ganancioso. Isso é fato. Se deixar de ser ganancioso, deixa de ser capitalista para ser o que o genial ex-chanceler Celso Amorim classifica como "socialismo democrata". Mas ser socialista em um mundo individualista pega muito mal, não é?

Não é coincidência que o crescimento dos ideais direitistas ocorra simultaneamente com o aumento do sentimento de individualismo na maioria das pessoas. Passar a perna no outro deixou de ser visto como algo errado e isso explica porque um certo sadismo passou a ser tolerado pela sociedade atual.

É uma interpretação errada do Darwinismo adaptado para assuntos sócio-econômicos. A lei do mais forte passou a ser mais importante do que as outras leis e ser "do bem" significa estar do lado dos mais fortes, apoiá-los (??!!) e seguir as suas orientações. Se os fracos caem, é porque querem cair ou mereçam cair. 

Para quem pensa assim, a dignidade mínima virou um troféu exclusivo para quem é mais forte. Para que uma pessoa viva com dignidade, ou se esforça (seguindo as regras impostas pelos mais fortes) para se transformar em um "forte" ou assume a derrota e desista da dignidade. 

Boa parte dos manuais que ensina as pessoas a vencerem na vida se baseiam nesta tese. É desta forma que pensam os direitistas, se esquecendo que eles mesmos recebem ajuda facilitada de que quer que seja. Ninguém vence sozinho, sem ajuda. A meritocracia é uma tese absurda, uma utopia impossível de aceitar, visto a complexidade da trajetória que faz uma pessoa subir na vida.

Mas para uma sociedade individualista, não é errado "esticar a perna para outro cair". A ganância, a ânsia de ter mais do que os outros, já não é vista hoje como um defeito. Para muitos não passa de uma "justa" vontade de vencer na vida e conquistar "o que lhe pertence".

Óbvio que a ganância rendeu um estigma negativo e mesmo para os defensores, admiti-la publicamente rende uma reputação negativa. É preciso escolher outros nomes para denominá-la. É cacoete comum de capitalistas colocar nomes bonitos para as coisas feias que praticam.

Portanto chame a ganância de "força de vontade", "luta pela sobrevivência", "garra", "decisão", "ambição" e outras belas palavras similares que o ato de querer ter mais que os outros será facilmente aprovado, mesmo que gere um imenso prejuízo alheio. Afinal os prejudicados serão quase sempre vistos como "perdedores" que "quiseram perder".

E através da ganância socialmente tolerada que o Capitalismo gera seus grandes estragos diagnosticados nas insolúveis crises que se arrastam por décadas sem que algum corajoso tenha a iniciativa de mudar as coisas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Reforma trabalhista destrói mito da Meritocracia

Hoje eu vou dar uma de Poliana, aquela personagem de conto de fada que via o lado positivo até mesmo na desgraça. A Reforma Trabalhista, que elimina muitos direitos dos trabalhadores, reduzindo o trabalho aos níveis da informalidade, tem um lado bom: cala a voz dos conservadores, que na poderão mais usar o falso mito da Meritocracia para justificar suas crenças.
Para quem chegou a este blog por meio deste texto, Meritocracia é a tese fantasiosa que alega que se um empregado cumprir todas a rotina do trabalho, obedecer ao patrão e seguir rigorosamente as regras do mercado, ele enriquecerá e virará um magnata. Pura lenda.
A Reforma Trabalhista destrói de uma vez por todas a Meritocracia e arranca a máscara de boa índole de empresários, executivos e dos conservadores que os defendem. Vários pontos da reforma deixam bem claro que o trabalhador terá a mesma fragilidade do trabalho informal (como se vê no camelô) e a possibilidade de perder até mesmo o direito a salário é real. Mesmo não e…

Os desafios de uma Administração progressista e humanitária

Hoje, a Administração necessita urgentemente de uma novíssima fase. Mesmo com as mudanças feitas, a teoria e a prática da Administração ainda tem velhos estereótipos em sua base. Essencialmente mudou muito pouco. A Administração ainda está muito vinculada ao Capitalismo e ao ganancioso desejo pelo lucro. 
Os novos teóricos que se manifestam falam em humanismo, que pessoas são o principal ativo das empresas e bla-bla-bla, mas se vê que na prática a coisa é bem diferente. As faculdades de Administração, ao invés de serem polos de formação de gestores, acabam sendo uma fábrica de a aspirantes a magnatas egoístas, gananciosos e preconceituosos. Confundem arrivismo com ambição. É preciso parar com esta mentalidade infelizmente arraigada à ideia de Administração.
O Capitalismo está velho e acabado. Tenta melhorar a sua aparência, modernizar a sua capacidade de sedução, mas não consegue enxergar que a realidade atual exige pessoas realmente altruístas (sem a hipocrisia do assistencialismo p…

Crença na equiparação de grandes e pequenos faz população ter piedade de grandes gestores, criando um pensamento conservador

Para a população, os grandes empresários são iguais aos pequenos. Porque os pequenos é que fazem parte da realidade da população. Os pequenos sofrem para manter seus negócios e costumam ser honestos, trabalhadores e não raramente altruístas. Os gestores de micro, pequeno e médio porte são realmente onde se pode ver exemplos de boa e excelente gestão.
Como falei acima, é o que a população consegue ver. A noção de empresariado da população mais leiga é o que ela conhece pessoalmente. Portanto, para a população em geral, empresários são trabalhadores, honestos, humildes e altruístas. E é desta forma que imaginam ser também os grandes.
As pessoas comuns não sabem como funciona o grande empresariado porque não tem acesso aos seus bastidores. Se baseiam no que conhecem, o que faz com que consigam enxergar no poderoso empresário aquele humilde quitandeiro da esquina. Mas um quitandeiro em proporções colossais. Se acham que o quitandeiro sofre, acreditam que o poderoso empresário sofra ainda…