Pular para o conteúdo principal

Crise mundial pode estar sendo forjada

Um dos maiores segredos da administração mundial não é o funcionamento de uma ou outra organização ou a fórmula da Coca Cola. Talvez o maior segredo que os maiores administradores escondem é que a crise mundial é proposital. 

A Crise é resultante da ganância e de más aplicações (incluindo a má administração dos investimentos) dos próprios empresários, executivos e líderes econômicos ou pode estar sendo forjada pelos mesmos para obter favorecimentos e aumentar poder.

A crise, do contrário do que os mais ingênuos pensam, pode estar sendo benéfica para os mais poderosos. É nociva para os pequenos e médios empreendedores e para os trabalhadores em geral. Os homens mais poderosos do mundo, daqueles que falam grosso com presidentes da República, a crise, mesmo trazendo alguns prejuízos, ainda traz mais benefícios.

Através da crise, são encontradas justificativas plausíveis para cortar gastos importantes e desviá-los para o acúmulo de bens que podem aumentar o poder político do empresariado. Também favorece a fusão de empresas que transforma meros empreendedores em super-empresários capazes de derrubar todos que estejam diante de seus olhos, sobretudo a concorrência, podendo resultar em um monopólio a longo prazo. Fora outros aspectos cotidianos que podem ser facilitados utilizando a suposta preocupação com a crise como justificativa.

A Doutrina do Choque: crises legitimam abusos

A crise é muito boa para lideranças, pois ela autoriza abusos e atrocidades. A jornalista, cientista política e ativista de esquerda Naomi Klein escreveu um livro, A Doutrina do Choque, onde lança a tese, infelizmente real e várias vezes comprovada, em que lideranças usam crises e situações trágicas para impor projetos impopulares (vários deles nocivos à coletividade) que perpetuam as injustiças que favorecem estas lideranças.

Mesmo que as imposições referidas na tese por Klein se refiram a política, sabe-se muito bem que medidas impopulares raramente prejudicam as grandes corporações. Aliás, várias delas resultam da opção de lideranças políticas de proteger as lideranças econômicas, na crença de que o bem estar de grandes corporações é a garantia de equilíbrio econômico, algo verdadeiro, mas relativo.

Mas qual fato leva a crer que a crise é proposital e/ou está sendo forjada? Se lembrarmos que dinheiro não é imaterial e que a quantidade de dinheiro que circula no mundo continua inalterada, percebemos que se a renda não está nas mãos de fulano ou sicrano, com certeza está nas mãos de beltrano. Tem alguém lucrando com o prejuízo alheio. Senão a crise teria sido resolvida com mais rapidez, através da reunião das maiores lideranças política e econômicas.

Essa hesitação em resolver com relativa rapidez a crise e o fato de que o dinheiro continua circulando sugere que as maiores lideranças políticas e econômicas, no fundo, não estão interessadas em resolver a crise, o que reforça a tese de que a crise pode ser proposital.

Sabe-se que não é com excesso de trabalho e cortes de investimentos que se resolvem crises. É preciso melhorar renda e saber como aplicá-la, cortando apenas os investimentos em projetos e iniciativas supérfluas. Enquanto as autoridades não pensarem nisso, a crise será eterna e um excelente pretexto para que lideranças gananciosas aumentem seu poder e escravizem a humanidade.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Os desafios de uma Administração progressista e humanitária

Hoje, a Administração necessita urgentemente de uma novíssima fase. Mesmo com as mudanças feitas, a teoria e a prática da Administração ainda tem velhos estereótipos em sua base. Essencialmente mudou muito pouco. A Administração ainda está muito vinculada ao Capitalismo e ao ganancioso desejo pelo lucro. 
Os novos teóricos que se manifestam falam em humanismo, que pessoas são o principal ativo das empresas e bla-bla-bla, mas se vê que na prática a coisa é bem diferente. As faculdades de Administração, ao invés de serem polos de formação de gestores, acabam sendo uma fábrica de a aspirantes a magnatas egoístas, gananciosos e preconceituosos. Confundem arrivismo com ambição. É preciso parar com esta mentalidade infelizmente arraigada à ideia de Administração.
O Capitalismo está velho e acabado. Tenta melhorar a sua aparência, modernizar a sua capacidade de sedução, mas não consegue enxergar que a realidade atual exige pessoas realmente altruístas (sem a hipocrisia do assistencialismo p…

Reforma trabalhista destrói mito da Meritocracia

Hoje eu vou dar uma de Poliana, aquela personagem de conto de fada que via o lado positivo até mesmo na desgraça. A Reforma Trabalhista, que elimina muitos direitos dos trabalhadores, reduzindo o trabalho aos níveis da informalidade, tem um lado bom: cala a voz dos conservadores, que na poderão mais usar o falso mito da Meritocracia para justificar suas crenças.
Para quem chegou a este blog por meio deste texto, Meritocracia é a tese fantasiosa que alega que se um empregado cumprir todas a rotina do trabalho, obedecer ao patrão e seguir rigorosamente as regras do mercado, ele enriquecerá e virará um magnata. Pura lenda.
A Reforma Trabalhista destrói de uma vez por todas a Meritocracia e arranca a máscara de boa índole de empresários, executivos e dos conservadores que os defendem. Vários pontos da reforma deixam bem claro que o trabalhador terá a mesma fragilidade do trabalho informal (como se vê no camelô) e a possibilidade de perder até mesmo o direito a salário é real. Mesmo não e…

Renova Brasil: não caia nesta cilada

Uma iniciativa criada por um grupo formado pelos empresários mais ricos do país, chamada de Renova Brasil, ou Renova BR, tem a finalidade de preparar lideranças comprometidas com o neoliberalismo e que criem meios sutis de evitar a justa redistribuição de renda e o progresso de instituições brasileiras, o que poderia ameaçar a  hegemonia das grandes corporações do "Primeiro Mundo" e que prejudique os interesses particulares destes mesmos empresários.
Fracasso nas regiões onde a burguesia não é maioria
Esta iniciativa, criada para tentar salvar o neoliberalismo, que sofreu danos com a crise econômica de 2008, que se mostra um verdadeiro fracasso nas regiões onde a burguesia não domina, é liderada por Eduardo Mufarej, presidente da Somos Educação e tem o Luciano Huck como um dos patrocinadores e garoto propaganda de iniciativa. O ancião Abílio Diniz, o publicitário Nizan Guanaez (que pediu para o "mordomo" do Golpe de 2016, Michel Temer, aproveitar a impopularidade p…