Pular para o conteúdo principal

A crise e o fracasso do Capitalismo

Muito se está falando em crise nos últimos anos. Mas ao invés de procurar soluções, grande parte das pessoas, incluindo homens graúdos, de prestígio, preferem procurar culpados. Não precisa. O culpado e um só: o fracasso do Capitalismo. Jogo sem hesitar toda a culpa neste fato. 

Está mais do que na hora de procurar soluções. E continuamos a não solucionar os prolemas, preferindo reagir à crise de forma egoísta, gananciosa e não raramente autoritária, sempre com consequências nocivas ou no mínimo atrapalhadas. 

Os tempos atuais pedem uma nova ideologia. O Capitalismo foi útil ao romper com o medievalismo na chegada da Idade Moderna. Ele teve seu tempo. Para o século XXI, o Capitalismo já não serve mais. Embora muita gente ainda tente salvar o Capitalismo tentando colocar a culpa em ideologias opostas, de qualquer maneira, o seu fracasso deva ser admitido e novas formas de pensar a Administração terão a obrigação de surgir. 

É preciso eliminar o cacoete de propor soluções velhas para novos problemas. Problemas novos exigem soluções novas. É indispensável rever as relações de poder e o que estamos fazendo com este poder. Vamos repetir os erros de lideranças do passado? Em caso de resposta positiva, afirmo que esta é uma escolha por um fracasso ainda maior.

Como o nome diz, o Capitalismo é uma ideologia focada no dinheiro, conhecido no meio econômico como capital. Embora lideranças, se aproveitando do desconhecimento geral da humanidade sobre política e Economia, vivam atribuindo características humanitárias ao Capitalismo, ele na verdade é uma ideologia que tem como foco a saúde financeira de empresas e de lideranças. Mesmo que envolva outros aspectos a meta é esta citada. O bem estar de pessoas, embora admitido, não é a principal meta do Capitalismo, que o utiliza mais como propaganda para vender produtos e serviços.

Mas como todo excesso é nocivo, a ganância capitalista, tão frequentemente negada como é frequentemente praticada, tem sido o fator principal para a geração de crises e para a destruição dos sistema sócio-econômico-político como um todo. É muito fácil culpar ideologias opostas quando se quer fugir da responsabilidade. Grandes gestores e o grande empresariado deverão desenvolver a auto-crítica e reconhecer que a crise é resultado de muitos abusos.

Gestores precisam focar na administração de suas empresas. O enriquecimento pessoal (falo no enriquecimento das pessoas físicas que controlam as empresas e não nas empresas em si, que deveriam enriquecer para poder produzir) e a nociva decisão de interferir no poder político tem tirado os administradores do foco em suas gestões e alimentando uma crise que certamente está sendo nociva a todos.

Não vejo outra solução do que a mudança de pensamento. Descartar o moribundo Capitalismo e direcionar o foco na administração e nas pessoas envolvidas, incluindo funcionários (que deveriam ser melhor remunerados) e clientes (que esperam por produtos e serviços com menor preço e maior qualidade) seria uma corajosa medida a ser utilizada no trabalho contra a crise. Os administradores deveriam abrir mão de privilégios e concentrar suas forças na recuperação econômica.

Não dá para recuperar a economia com medidas gananciosas e autoritárias. Isso vai agravar ainda mais as crises, na tentativa frustrada de apagar incêndio com gasolina. Algo que tem sido feito até este exato instante.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Reforma trabalhista destrói mito da Meritocracia

Hoje eu vou dar uma de Poliana, aquela personagem de conto de fada que via o lado positivo até mesmo na desgraça. A Reforma Trabalhista, que elimina muitos direitos dos trabalhadores, reduzindo o trabalho aos níveis da informalidade, tem um lado bom: cala a voz dos conservadores, que na poderão mais usar o falso mito da Meritocracia para justificar suas crenças.
Para quem chegou a este blog por meio deste texto, Meritocracia é a tese fantasiosa que alega que se um empregado cumprir todas a rotina do trabalho, obedecer ao patrão e seguir rigorosamente as regras do mercado, ele enriquecerá e virará um magnata. Pura lenda.
A Reforma Trabalhista destrói de uma vez por todas a Meritocracia e arranca a máscara de boa índole de empresários, executivos e dos conservadores que os defendem. Vários pontos da reforma deixam bem claro que o trabalhador terá a mesma fragilidade do trabalho informal (como se vê no camelô) e a possibilidade de perder até mesmo o direito a salário é real. Mesmo não e…

Os desafios de uma Administração progressista e humanitária

Hoje, a Administração necessita urgentemente de uma novíssima fase. Mesmo com as mudanças feitas, a teoria e a prática da Administração ainda tem velhos estereótipos em sua base. Essencialmente mudou muito pouco. A Administração ainda está muito vinculada ao Capitalismo e ao ganancioso desejo pelo lucro. 
Os novos teóricos que se manifestam falam em humanismo, que pessoas são o principal ativo das empresas e bla-bla-bla, mas se vê que na prática a coisa é bem diferente. As faculdades de Administração, ao invés de serem polos de formação de gestores, acabam sendo uma fábrica de a aspirantes a magnatas egoístas, gananciosos e preconceituosos. Confundem arrivismo com ambição. É preciso parar com esta mentalidade infelizmente arraigada à ideia de Administração.
O Capitalismo está velho e acabado. Tenta melhorar a sua aparência, modernizar a sua capacidade de sedução, mas não consegue enxergar que a realidade atual exige pessoas realmente altruístas (sem a hipocrisia do assistencialismo p…

Crença na equiparação de grandes e pequenos faz população ter piedade de grandes gestores, criando um pensamento conservador

Para a população, os grandes empresários são iguais aos pequenos. Porque os pequenos é que fazem parte da realidade da população. Os pequenos sofrem para manter seus negócios e costumam ser honestos, trabalhadores e não raramente altruístas. Os gestores de micro, pequeno e médio porte são realmente onde se pode ver exemplos de boa e excelente gestão.
Como falei acima, é o que a população consegue ver. A noção de empresariado da população mais leiga é o que ela conhece pessoalmente. Portanto, para a população em geral, empresários são trabalhadores, honestos, humildes e altruístas. E é desta forma que imaginam ser também os grandes.
As pessoas comuns não sabem como funciona o grande empresariado porque não tem acesso aos seus bastidores. Se baseiam no que conhecem, o que faz com que consigam enxergar no poderoso empresário aquele humilde quitandeiro da esquina. Mas um quitandeiro em proporções colossais. Se acham que o quitandeiro sofre, acreditam que o poderoso empresário sofra ainda…