Pular para o conteúdo principal

Nada a comemorar

Hoje deveria ser uma data comemorativa, mas a realidade sugere que temos muito mais a refletir e protestar do que comemorar. Aliás não há motivos para comemorar. 

Os verdadeiros trabalhadores, que pegam no peso, na sujeira e nas dificuldades para ganhar um mísero trocado, nunca tiveram vez e voz no sistema Capitalista, criado para beneficiar apenas quem distribui ordens em troca de imensas fortunas nunca justamente distribuídas. 

Se tem alguém com motivos a comemorar, são os patrões. Isso até a economia mostrar que fracassa quando o poder de consumo da classe trabalhadora se reduz, fechando as portas de inúmeras empresas dependentes da circulação de dinheiro.

As grandes empresas sim, tem que comemorar bastante. Os donos do gigantesco capital são na verdade rentistas e lucram pouco com o movimento da economia. Seus maiores ganhos vem do rentismo, que é a dependência do mercado especulativo (bolsa de valores, juros, ajuda de governos, etc.) e por isso que grandes empresários deram o golpe sem se importar com a destruição da economia. A fortuna que garante suas vidas nababescas não vem da produção. Vem de outras fontes.

Já o trabalhador, coitado. Tradicionalmente sem amparo, com poucas conquistas adquiridas após muita luta, não raramente sangrenta, segue ainda mais miserável, sem salário e sem direitos. A irresponsável Reforma Trabalhista, que na verdade é pró-patronal, reduziu o trabalhador a um equipamento a ser adquirido com o menos custo possível. E equipamento não fala, não tem direitos, não reclama e não merece viver. Se um pifar (morrer), simples: troca-se por outro, ainda mais barato.

Mas trabalhadores são seres humanos. Patrões se esquecem que a Administração sempre se evoluiu ampliando direitos a trabalhadores. Trabalhador feliz produz mais e melhor. Trabalhador é consumidor. Trabalhador ganhando bem, paga bem e movimenta a economia. Todos ganham com o bem estar do trabalhador. Só os empresários brasileiros (os grandes por seres rentistas, os pequenos e médios por serem burros) nunca se lembram deste valioso detalhe.

Hoje estamos com a economia brasileira em frangalhos. Imagine um monte de escombros empilhados aleatoriamente, após a demolição de um grande prédio. Este é o cenário que define a situação de nossa economia liderada por uma horda de irresponsáveis predadores parasitas que passam por cima de tudo e de todos para alimentar sua ainda mais irresponsável ganância.

É um dia muito triste para todos. Empresários de médio e pequeno porte já começam a ter prejuízo. Os grandes e gigantes fogem do país depositando suas fortunas ganhas de modo nem sempre honesto em paraísos fiscais em algum lugar distante. E os trabalhadores seguem convertidos em escravos, tendo que suar mais do que o saudavelmente recomendável em troca de poucos trocados para comer langanhos nada saudáveis.

Triste o nosso cenário. Não sabemos quando terminará. Aliás nem há sinais de que isso terminará. No momento, nada temos a comemorar. Por isso mesmo que o dia do trabalhador cai no mesmo mês em que lembramos da escravidão. Talvez hoje seja de fato o Dia do Escravo. É o que todos nós, que não somos rentistas, nunca passamos de ser.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Reforma trabalhista destrói mito da Meritocracia

Hoje eu vou dar uma de Poliana, aquela personagem de conto de fada que via o lado positivo até mesmo na desgraça. A Reforma Trabalhista, que elimina muitos direitos dos trabalhadores, reduzindo o trabalho aos níveis da informalidade, tem um lado bom: cala a voz dos conservadores, que na poderão mais usar o falso mito da Meritocracia para justificar suas crenças.
Para quem chegou a este blog por meio deste texto, Meritocracia é a tese fantasiosa que alega que se um empregado cumprir todas a rotina do trabalho, obedecer ao patrão e seguir rigorosamente as regras do mercado, ele enriquecerá e virará um magnata. Pura lenda.
A Reforma Trabalhista destrói de uma vez por todas a Meritocracia e arranca a máscara de boa índole de empresários, executivos e dos conservadores que os defendem. Vários pontos da reforma deixam bem claro que o trabalhador terá a mesma fragilidade do trabalho informal (como se vê no camelô) e a possibilidade de perder até mesmo o direito a salário é real. Mesmo não e…

Os desafios de uma Administração progressista e humanitária

Hoje, a Administração necessita urgentemente de uma novíssima fase. Mesmo com as mudanças feitas, a teoria e a prática da Administração ainda tem velhos estereótipos em sua base. Essencialmente mudou muito pouco. A Administração ainda está muito vinculada ao Capitalismo e ao ganancioso desejo pelo lucro. 
Os novos teóricos que se manifestam falam em humanismo, que pessoas são o principal ativo das empresas e bla-bla-bla, mas se vê que na prática a coisa é bem diferente. As faculdades de Administração, ao invés de serem polos de formação de gestores, acabam sendo uma fábrica de a aspirantes a magnatas egoístas, gananciosos e preconceituosos. Confundem arrivismo com ambição. É preciso parar com esta mentalidade infelizmente arraigada à ideia de Administração.
O Capitalismo está velho e acabado. Tenta melhorar a sua aparência, modernizar a sua capacidade de sedução, mas não consegue enxergar que a realidade atual exige pessoas realmente altruístas (sem a hipocrisia do assistencialismo p…

Crença na equiparação de grandes e pequenos faz população ter piedade de grandes gestores, criando um pensamento conservador

Para a população, os grandes empresários são iguais aos pequenos. Porque os pequenos é que fazem parte da realidade da população. Os pequenos sofrem para manter seus negócios e costumam ser honestos, trabalhadores e não raramente altruístas. Os gestores de micro, pequeno e médio porte são realmente onde se pode ver exemplos de boa e excelente gestão.
Como falei acima, é o que a população consegue ver. A noção de empresariado da população mais leiga é o que ela conhece pessoalmente. Portanto, para a população em geral, empresários são trabalhadores, honestos, humildes e altruístas. E é desta forma que imaginam ser também os grandes.
As pessoas comuns não sabem como funciona o grande empresariado porque não tem acesso aos seus bastidores. Se baseiam no que conhecem, o que faz com que consigam enxergar no poderoso empresário aquele humilde quitandeiro da esquina. Mas um quitandeiro em proporções colossais. Se acham que o quitandeiro sofre, acreditam que o poderoso empresário sofra ainda…