Pular para o conteúdo principal

CEO de Engenho

Há um mito, defendido pelos conservadores de que as nossas elites são responsáveis, altruístas e altamente interessadas no desenvolvimento do Brasil. É um mito falso, já que nada disso é observado na prática. Se lembrarmos do conservadorismo de nossas elites e do fato de que muitas ideias são passadas de pai para filho, nos lembraremos de que nossas elites não são só conservadoras como bastante retrógradas e pasmem: ignorantes.

Na verdade, as elites brasileiras são majoritariamente descendentes dos velhos senhores de engenho. Segundo intelectuais como Jessé de Souza, que lança agora seu novo livro, A Elite do Atraso, da Escravidão à Lava Jato, as nossas elites nunca deixaram de ser escravocratas. É um sonho dos homens mais ricos, sejam brasileiros ou estrangeiros instalados no país, de ter empregados trabalhando de graça, sem a troca de serviço por qualquer tipo de benefício.

Claro que este desejo de escravizar as classes dominadas é manifestado de forma bem sutil, para evitar o tachamento de uma imagem de vilania para as classes opressoras, que precisam do apoio popular para suas atitudes para não perder benefícios. Oficialmente, a escravidão é crime. pelo menos por enquanto, pois com o tempo, após a vigência da Reforma Trabalhista, em novembro próximo, a escravidão se tornará algo plausível, corriqueiro e consagrado.

É infantil achar que a Reforma Trabalhista surgiu para favorecer os trabalhadores. Ela é a manifestação mais clara possível da mentalidade escravocrata de nossas elites. A meta é, aos poucos - para não dar sinais explícitos de crueldade - reduzir salario e benefícios para que no futuro se chegue ao zero, transformando o trabalhador em um mero equipamento adquirido a um custo cada vez mais baixo, quase gratuito, apenas para realizar o trabalho pesado que as elites se recusam a fazer.

Há no Brasil uma não muito observada luta de classes. Boa parte dos preconceitos existentes tem muito a ver com isso e o objetivo das elites é puramente liberal: reservar todos os direitos plenos às próprias elites, transformando as outras classes em meras servidoras dessas elites. 

Tudo, mas tudo mesmo, que está sendo feito no Brasil tem muito a ver com esta ideia de plenitude de direitos apenas às grandes elites. E isso tem muito a ver com o pensamento escravocrata passado de pai para filho. 

Quando você ver um grande empresário de cabelos em pé, tatuado, falando gíria e surfando nas férias, não se iluda: é a versão high-tech do arcaico e mofado Senhor de Engenho. É o CEO de Engenho, moderno na aparência mas podre e carcomido em ideias. Um ser que nunca aceitou o fim do Brasil colonial e se empenha para que este tempo nebuloso esteja de volta.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Reforma trabalhista destrói mito da Meritocracia

Hoje eu vou dar uma de Poliana, aquela personagem de conto de fada que via o lado positivo até mesmo na desgraça. A Reforma Trabalhista, que elimina muitos direitos dos trabalhadores, reduzindo o trabalho aos níveis da informalidade, tem um lado bom: cala a voz dos conservadores, que na poderão mais usar o falso mito da Meritocracia para justificar suas crenças.
Para quem chegou a este blog por meio deste texto, Meritocracia é a tese fantasiosa que alega que se um empregado cumprir todas a rotina do trabalho, obedecer ao patrão e seguir rigorosamente as regras do mercado, ele enriquecerá e virará um magnata. Pura lenda.
A Reforma Trabalhista destrói de uma vez por todas a Meritocracia e arranca a máscara de boa índole de empresários, executivos e dos conservadores que os defendem. Vários pontos da reforma deixam bem claro que o trabalhador terá a mesma fragilidade do trabalho informal (como se vê no camelô) e a possibilidade de perder até mesmo o direito a salário é real. Mesmo não e…

Os desafios de uma Administração progressista e humanitária

Hoje, a Administração necessita urgentemente de uma novíssima fase. Mesmo com as mudanças feitas, a teoria e a prática da Administração ainda tem velhos estereótipos em sua base. Essencialmente mudou muito pouco. A Administração ainda está muito vinculada ao Capitalismo e ao ganancioso desejo pelo lucro. 
Os novos teóricos que se manifestam falam em humanismo, que pessoas são o principal ativo das empresas e bla-bla-bla, mas se vê que na prática a coisa é bem diferente. As faculdades de Administração, ao invés de serem polos de formação de gestores, acabam sendo uma fábrica de a aspirantes a magnatas egoístas, gananciosos e preconceituosos. Confundem arrivismo com ambição. É preciso parar com esta mentalidade infelizmente arraigada à ideia de Administração.
O Capitalismo está velho e acabado. Tenta melhorar a sua aparência, modernizar a sua capacidade de sedução, mas não consegue enxergar que a realidade atual exige pessoas realmente altruístas (sem a hipocrisia do assistencialismo p…

Crença na equiparação de grandes e pequenos faz população ter piedade de grandes gestores, criando um pensamento conservador

Para a população, os grandes empresários são iguais aos pequenos. Porque os pequenos é que fazem parte da realidade da população. Os pequenos sofrem para manter seus negócios e costumam ser honestos, trabalhadores e não raramente altruístas. Os gestores de micro, pequeno e médio porte são realmente onde se pode ver exemplos de boa e excelente gestão.
Como falei acima, é o que a população consegue ver. A noção de empresariado da população mais leiga é o que ela conhece pessoalmente. Portanto, para a população em geral, empresários são trabalhadores, honestos, humildes e altruístas. E é desta forma que imaginam ser também os grandes.
As pessoas comuns não sabem como funciona o grande empresariado porque não tem acesso aos seus bastidores. Se baseiam no que conhecem, o que faz com que consigam enxergar no poderoso empresário aquele humilde quitandeiro da esquina. Mas um quitandeiro em proporções colossais. Se acham que o quitandeiro sofre, acreditam que o poderoso empresário sofra ainda…