Pular para o conteúdo principal

Reforma Trabalhista prejudicará empreendedorismo

Vamos reconhecer. Nem todos os chamados empreendedores estão a favor das reformas trabalhistas. Somente os rentistas, os gananciosos e os que conseguem obter lucros através de outros meios senão a venda de produtos e serviços. 

Há empreendedores sérios preocupados com a reforma trabalhista, que põe em xeque mais de 100 direitos adquiridos pelos trabalhadores. Quem estudou ou estuda Administração sabe que a evolução da capacidade de gestão se deu com o aumento cada vez maior da preocupação com o ser humano. Ou seja, o desenvolvimento da Administração é o desenvolvimento de seu lado social.

O que a reforma trabalhista pretende é justamente o oposto. O trabalhador volta a sua condição dos primórdios da Administração, quando era tratado como mero equipamento natural. Uma máquina criada para fazer o serviço e que quando "quebra" deve ser descartada e trocada por outra similar ou melhor. Era desta forma que o trabalhador era tratado e com o tempo esta noção foi desaparecendo.

Mas não por completo. A existência de empresários que tratam o trabalhador como simples máquina é ainda grande, pois a ganância de lucrar mais e mais, que é uma doença, elimina do caráter do suposto empreendedor qualquer senso de humanidade. O gestor pensa ser melhor que os outros e por isso se acha nos direitos de ganhar mais que outras pessoas e de explorar quem julgue estar abaixo dele.

É um pensamento que se acreditava sumido, mas que retoma força em tempos de ódio humano estimulado pelo golpe político de 2016. Pessoas gananciosas e odiosas perderam a vergonha de seu sadismo e passaram a considerar o desejo de prejudicar os outros como um ato de defesa de seus interesses, como se privilégio fossem direito básico para os mais afortunados.

Este tipo de pensamento faz desenvolver a falsa noção de que trabalhador não fala, não anda e nem vive: só trabalha. E trabalha no pior sentido da palavra, ou seja, não o emprego digno que desenvolve aptidões mas o sacrifício sub-humano que escraviza o trabalhador, dando oportunidade para que gestores e patrões façam o que quiserem, por mais cruel que seja.

Reformas garantem prejuízo a longo prazo

Mas o que os apoiadores das reformas se esquecem é que as mesmas podem trazer prejuízo a todo o empresariado, sobretudo aos que não são gananciosos. O pequemo e o médio empreendedor certamente será prejudicado com as reformas. A figura do consumidor desaparecerá gradativamente e o gestor, que no Brasil não tem o habito de pensar a longo prazo, ficará em fonte de renda no futuro, sendo obrigado a fechar as portas por falta de clientes. 

Isso vai acontecer porque as reformas vão achatar o salário do trabalhador. Fala-se em volta da escravidão. Há inclusive projetos de lei - pasmem! - pedindo para que desobrigue o pagamento de salários a trabalhadores rurais, que devem ser remunerados apenas com casa e comida. Um retrocesso gigantesco que nos leva de volta aos tempos coloniais.

É preciso combater as reformas trabalhistas, ou pelo menos desobedecer seus pontos. A ideia de que a CLT está ultrapassada é papo furado, pois a mesma tem sido devidamente atualizada em vários pontos durante anos. Quem quer acabar com a CLT quer liberdade para explorar, quer transformar o trabalhador em um serviçal a sustentar a gula desenfreada dos gestores irresponsáveis.

A evolução da Administração passa pelo respeito ao trabalhador e pela ideia de que funcionário feliz trabalha melhor e produz mais. Explorá-lo como se fosse um mero equipamento é um preconceito arcaico que existe na mente de quem na aceita tempos futuros. Um pouco de respeito humano não prejudica o empreendedorismo. Recomendável não se esquecer disso.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Reforma trabalhista destrói mito da Meritocracia

Hoje eu vou dar uma de Poliana, aquela personagem de conto de fada que via o lado positivo até mesmo na desgraça. A Reforma Trabalhista, que elimina muitos direitos dos trabalhadores, reduzindo o trabalho aos níveis da informalidade, tem um lado bom: cala a voz dos conservadores, que na poderão mais usar o falso mito da Meritocracia para justificar suas crenças.
Para quem chegou a este blog por meio deste texto, Meritocracia é a tese fantasiosa que alega que se um empregado cumprir todas a rotina do trabalho, obedecer ao patrão e seguir rigorosamente as regras do mercado, ele enriquecerá e virará um magnata. Pura lenda.
A Reforma Trabalhista destrói de uma vez por todas a Meritocracia e arranca a máscara de boa índole de empresários, executivos e dos conservadores que os defendem. Vários pontos da reforma deixam bem claro que o trabalhador terá a mesma fragilidade do trabalho informal (como se vê no camelô) e a possibilidade de perder até mesmo o direito a salário é real. Mesmo não e…

Os desafios de uma Administração progressista e humanitária

Hoje, a Administração necessita urgentemente de uma novíssima fase. Mesmo com as mudanças feitas, a teoria e a prática da Administração ainda tem velhos estereótipos em sua base. Essencialmente mudou muito pouco. A Administração ainda está muito vinculada ao Capitalismo e ao ganancioso desejo pelo lucro. 
Os novos teóricos que se manifestam falam em humanismo, que pessoas são o principal ativo das empresas e bla-bla-bla, mas se vê que na prática a coisa é bem diferente. As faculdades de Administração, ao invés de serem polos de formação de gestores, acabam sendo uma fábrica de a aspirantes a magnatas egoístas, gananciosos e preconceituosos. Confundem arrivismo com ambição. É preciso parar com esta mentalidade infelizmente arraigada à ideia de Administração.
O Capitalismo está velho e acabado. Tenta melhorar a sua aparência, modernizar a sua capacidade de sedução, mas não consegue enxergar que a realidade atual exige pessoas realmente altruístas (sem a hipocrisia do assistencialismo p…

Crença na equiparação de grandes e pequenos faz população ter piedade de grandes gestores, criando um pensamento conservador

Para a população, os grandes empresários são iguais aos pequenos. Porque os pequenos é que fazem parte da realidade da população. Os pequenos sofrem para manter seus negócios e costumam ser honestos, trabalhadores e não raramente altruístas. Os gestores de micro, pequeno e médio porte são realmente onde se pode ver exemplos de boa e excelente gestão.
Como falei acima, é o que a população consegue ver. A noção de empresariado da população mais leiga é o que ela conhece pessoalmente. Portanto, para a população em geral, empresários são trabalhadores, honestos, humildes e altruístas. E é desta forma que imaginam ser também os grandes.
As pessoas comuns não sabem como funciona o grande empresariado porque não tem acesso aos seus bastidores. Se baseiam no que conhecem, o que faz com que consigam enxergar no poderoso empresário aquele humilde quitandeiro da esquina. Mas um quitandeiro em proporções colossais. Se acham que o quitandeiro sofre, acreditam que o poderoso empresário sofra ainda…