Pular para o conteúdo principal

O ataque das autoridades sem freio

Os procuradores e juízes ligados ao golpe de 2016 não gostaram nada de ver os também golpistas deputados alterarem o projeto "10 medidas contra a corrupção", de nome equivocado pois na verdade não passa de um AI-5 moderno que pretende por na cadeia pobres inocentes que possam se envolver em situações constrangedoras, várias criadas pelas próprias leis. Corrupção se combate de outra forma, não com a eliminação de direitos e liberdades do cidadão comum.

Além de terem eliminado as tais situações constrangedoras - que supostamente serviriam como "detectoras de corruptos", mas utilizando métodos e conceitos subjetivos, com base em convicções pessoais e não em fatos, os deputados incluíram uma emenda que deixou estes procuradores de cabelos em pé e a parcela mais conservadora da sociedade babando de ódio.

A emenda visava limitar os abusos cometidos por procuradores e por integrantes do Poder Judiciário. É uma emenda justa, mas foi interpretada como "limitação ao trabalho de promotores e juízes". Limitação? Quer dizer que juízes são melhores que o resto da humanidade, se sentindo no "direito" de cometer abusos e injustiças. Que justiça é essa que deseja legitimar abusos de poder?

Isso lembra muito o que acontece com o mercado de trabalho. Como sabemos, os maiores juízes e empresários são as classes mais privilegiadas de nosso país. Além de receberem as maiores rendas, estão no topo da hierarquia, sem alguém acima deles que pudesse limitar seus excessos.

Para a opinião pública, é consagrado o mito de que juízes e empresários são perfeitos, justos e incapazes de cometer qualquer tipo de erro, sendo na prática divindades materializadas. Nunca me surpreendeu a hiper-valorização das religiões nas sociedades capitalistas. É justamente para dar a noção de divindade para que as autoridades da Terra possam exercer sua influência com maior poder.

O Deus-Mercado e a sua invisível onipotência

Ontem eu estive assistindo uma pequena palestra sobre como se comportar numa entrevista de emprego. O jeito que a apresentadora, uma profissional de Recursos Humanos, falava, deixou subentendida a impressão que as empresas contratantes teriam o "direito" de cometer preconceitos e julgamentos de valor. Seria obrigação dos candidatos a vaga de um emprego se adaptar a estes preconceitos. Não houve qualquer tipo de menção, por menor que seja sobre o fato de que há muitas injustiças praticadas frequentemente em entrevistas de emprego.

Há a chamada "cultura da empresa". É o conjunto de convicções utilizadas no cotidiano de uma organização e que deve ser respeitado. Acontece que - surpresa! - empresários, assim como os juízes e procuradores mencionados no começo deste texto, são seres humanos e como tais, cometem erros, tem interesses particulares e cometem injustiças.

Há muitas organizações, e tive contato com exemplos reais que, por conveniência, serão omitidos aqui, cuja "cultura" é bastante preconceituosa, relaxada e não raramente incompetente. Organizações inclusive semi-escravocratas, que enxergam no funcionário não um ser humano, mas um equipamento a mais no patrimônio de uma empresa.

Como frear um empresário que age desta forma, se o "poderoso" Deus-Mercado merece ser intocado e respeitado com o maior rigor? Um dono de uma importante rede (mencionamos aqui), deu sinais de que defende a volta da escravidão, sem usar o nome para não pegar mal. Outra rede, muitíssimo famosa e prestigiada, especializada em fast food, oferece péssimas condições de trabalho para seus funcionários e possui instalações que já começam a ficar deterioradas, escuras, sujas e feias.

Temos que ter freios para isso. Não podemos deixar que a excludente doutrina neoliberal influencie o mercado de trabalho, como te acontecido cada vez mais. Empresários não são deuses, assim como juízes e procuradores também não são. Nada pode legitimar o abuso de poder, seja de quem for.

É preciso impor limites aos donos do poder econômico assim como o dos representantes do Poder Judiciário e das forças complementares, para que as outras pessoas não sejam prejudicadas pela truculenta influência de quem está no topo das relações de poder.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Reforma trabalhista destrói mito da Meritocracia

Hoje eu vou dar uma de Poliana, aquela personagem de conto de fada que via o lado positivo até mesmo na desgraça. A Reforma Trabalhista, que elimina muitos direitos dos trabalhadores, reduzindo o trabalho aos níveis da informalidade, tem um lado bom: cala a voz dos conservadores, que na poderão mais usar o falso mito da Meritocracia para justificar suas crenças.
Para quem chegou a este blog por meio deste texto, Meritocracia é a tese fantasiosa que alega que se um empregado cumprir todas a rotina do trabalho, obedecer ao patrão e seguir rigorosamente as regras do mercado, ele enriquecerá e virará um magnata. Pura lenda.
A Reforma Trabalhista destrói de uma vez por todas a Meritocracia e arranca a máscara de boa índole de empresários, executivos e dos conservadores que os defendem. Vários pontos da reforma deixam bem claro que o trabalhador terá a mesma fragilidade do trabalho informal (como se vê no camelô) e a possibilidade de perder até mesmo o direito a salário é real. Mesmo não e…

Os desafios de uma Administração progressista e humanitária

Hoje, a Administração necessita urgentemente de uma novíssima fase. Mesmo com as mudanças feitas, a teoria e a prática da Administração ainda tem velhos estereótipos em sua base. Essencialmente mudou muito pouco. A Administração ainda está muito vinculada ao Capitalismo e ao ganancioso desejo pelo lucro. 
Os novos teóricos que se manifestam falam em humanismo, que pessoas são o principal ativo das empresas e bla-bla-bla, mas se vê que na prática a coisa é bem diferente. As faculdades de Administração, ao invés de serem polos de formação de gestores, acabam sendo uma fábrica de a aspirantes a magnatas egoístas, gananciosos e preconceituosos. Confundem arrivismo com ambição. É preciso parar com esta mentalidade infelizmente arraigada à ideia de Administração.
O Capitalismo está velho e acabado. Tenta melhorar a sua aparência, modernizar a sua capacidade de sedução, mas não consegue enxergar que a realidade atual exige pessoas realmente altruístas (sem a hipocrisia do assistencialismo p…

Crença na equiparação de grandes e pequenos faz população ter piedade de grandes gestores, criando um pensamento conservador

Para a população, os grandes empresários são iguais aos pequenos. Porque os pequenos é que fazem parte da realidade da população. Os pequenos sofrem para manter seus negócios e costumam ser honestos, trabalhadores e não raramente altruístas. Os gestores de micro, pequeno e médio porte são realmente onde se pode ver exemplos de boa e excelente gestão.
Como falei acima, é o que a população consegue ver. A noção de empresariado da população mais leiga é o que ela conhece pessoalmente. Portanto, para a população em geral, empresários são trabalhadores, honestos, humildes e altruístas. E é desta forma que imaginam ser também os grandes.
As pessoas comuns não sabem como funciona o grande empresariado porque não tem acesso aos seus bastidores. Se baseiam no que conhecem, o que faz com que consigam enxergar no poderoso empresário aquele humilde quitandeiro da esquina. Mas um quitandeiro em proporções colossais. Se acham que o quitandeiro sofre, acreditam que o poderoso empresário sofra ainda…