Pular para o conteúdo principal

Empresários, não gostam de trabalhar? Então para quê sabotar? Para quê trapacear?

O moralismo conservador é bem hipócrita. Crentes de possuírem o "copyright" de valores elevados como o trabalho, a religiosidade e o patriotismo, nada disso é posto em prática e o que se vê nos conservadores é uma ganância ensandecida e um desejo grande de vencer de forma mais fácil possível, de preferência passando por cima dos outros.

O golpe de 2016 e a "saída do armário" de um neo-conservadorismo semi-sádico mostram que os empresários, maestros dessa nova onda retrógrada, estão muito a fim de gastar e nada a fim de competir com as forças progressistas que vem ganhando eleições nos últimos anos e poderão ganhar as próximas. 

Como transferir defeitos próprios para os outros é especialidade dos conservadores, o jeito foi lançar mão de toda a calúnia e difamação para tentar enganar a sociedade inventando a falácia de que quem ajuda os mais pobres é corrupto e sanguinário e que bons mesmos são os magnatas gananciosos, supostamente dispostos a distribuir dinheiro para todo mundo (e nunca distribuem).

Além do golpe, as reformas e as vendas de riquezas e empresas públicas, mostram que o grande empresariado brasileiro no fundo não está a fim de trabalhar e sim a fim de lucrar muito de forma bem fácil, rápida e garantida. Como não pensam a longo prazo, agem como corsários e invadem o espaço dos outros e simplesmente tomam para si, pensando serem donos de tudo.

Porque não trabalhar duro, enfrentar a concorrência e esperar que o tempo traga os lucros merecidos? Porque trapacear mudando leis (como fizeram, impondo a escravocrata reforma trabalhista), tomando para si bens públicos e manipular as mentes das pessoas através da mídia e de grupos fascistas para que todos aprovem e apoiem todo o saque feito pelos capitalistas gulosos? Falam tanto em defesa do trabalho, porque não trabalhar?

O trabalho inclui respeito aos outros. Respeito a quem quer trabalhar honestamente, sem a truculência de passar e cima e tomar bens alheios para alimentar uma ganância que sempre se mostrará nociva à coletividade. Esses empresários - e não vamos generalizar a classe, há muitos empresários que reprovam as atitudes dos empresários golpistas - não sabem o mal que causam e para manter seus pomposos supérfluos, impedem multidões de terem o mínimo necessário.

Se gostam de trabalhar, porque não desistem de mudar leis e criar golpes, crises e se envolver em corrupção? Aceitem as regras do jogo, que nos governos progressistas, tentavam favorecer, senão a todos, pelo menos a maioria de pessoas de todas as classes, e se esforcem para que os lucros cheguem de forma limpa sem o banho de sangue, suor e lágrimas que vocês estão acostumados a impor aos mais fracos.

Trabalho honesto é trabalho com esforço, mas acima de tudo, trabalho com respeito ao direito alheio. Seres humanos tem as mesmas necessidades e privá-las para satisfazer ganância é a verdadeira crueldade que nunca aparece nas páginas policiais. Pensem nisso.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Reforma trabalhista destrói mito da Meritocracia

Hoje eu vou dar uma de Poliana, aquela personagem de conto de fada que via o lado positivo até mesmo na desgraça. A Reforma Trabalhista, que elimina muitos direitos dos trabalhadores, reduzindo o trabalho aos níveis da informalidade, tem um lado bom: cala a voz dos conservadores, que na poderão mais usar o falso mito da Meritocracia para justificar suas crenças.
Para quem chegou a este blog por meio deste texto, Meritocracia é a tese fantasiosa que alega que se um empregado cumprir todas a rotina do trabalho, obedecer ao patrão e seguir rigorosamente as regras do mercado, ele enriquecerá e virará um magnata. Pura lenda.
A Reforma Trabalhista destrói de uma vez por todas a Meritocracia e arranca a máscara de boa índole de empresários, executivos e dos conservadores que os defendem. Vários pontos da reforma deixam bem claro que o trabalhador terá a mesma fragilidade do trabalho informal (como se vê no camelô) e a possibilidade de perder até mesmo o direito a salário é real. Mesmo não e…

Os desafios de uma Administração progressista e humanitária

Hoje, a Administração necessita urgentemente de uma novíssima fase. Mesmo com as mudanças feitas, a teoria e a prática da Administração ainda tem velhos estereótipos em sua base. Essencialmente mudou muito pouco. A Administração ainda está muito vinculada ao Capitalismo e ao ganancioso desejo pelo lucro. 
Os novos teóricos que se manifestam falam em humanismo, que pessoas são o principal ativo das empresas e bla-bla-bla, mas se vê que na prática a coisa é bem diferente. As faculdades de Administração, ao invés de serem polos de formação de gestores, acabam sendo uma fábrica de a aspirantes a magnatas egoístas, gananciosos e preconceituosos. Confundem arrivismo com ambição. É preciso parar com esta mentalidade infelizmente arraigada à ideia de Administração.
O Capitalismo está velho e acabado. Tenta melhorar a sua aparência, modernizar a sua capacidade de sedução, mas não consegue enxergar que a realidade atual exige pessoas realmente altruístas (sem a hipocrisia do assistencialismo p…

Crença na equiparação de grandes e pequenos faz população ter piedade de grandes gestores, criando um pensamento conservador

Para a população, os grandes empresários são iguais aos pequenos. Porque os pequenos é que fazem parte da realidade da população. Os pequenos sofrem para manter seus negócios e costumam ser honestos, trabalhadores e não raramente altruístas. Os gestores de micro, pequeno e médio porte são realmente onde se pode ver exemplos de boa e excelente gestão.
Como falei acima, é o que a população consegue ver. A noção de empresariado da população mais leiga é o que ela conhece pessoalmente. Portanto, para a população em geral, empresários são trabalhadores, honestos, humildes e altruístas. E é desta forma que imaginam ser também os grandes.
As pessoas comuns não sabem como funciona o grande empresariado porque não tem acesso aos seus bastidores. Se baseiam no que conhecem, o que faz com que consigam enxergar no poderoso empresário aquele humilde quitandeiro da esquina. Mas um quitandeiro em proporções colossais. Se acham que o quitandeiro sofre, acreditam que o poderoso empresário sofra ainda…