Pular para o conteúdo principal

Empresários, não gostam de trabalhar? Então para quê sabotar? Para quê trapacear?

O moralismo conservador é bem hipócrita. Crentes de possuírem o "copyright" de valores elevados como o trabalho, a religiosidade e o patriotismo, nada disso é posto em prática e o que se vê nos conservadores é uma ganância ensandecida e um desejo grande de vencer de forma mais fácil possível, de preferência passando por cima dos outros.

O golpe de 2016 e a "saída do armário" de um neo-conservadorismo semi-sádico mostram que os empresários, maestros dessa nova onda retrógrada, estão muito a fim de gastar e nada a fim de competir com as forças progressistas que vem ganhando eleições nos últimos anos e poderão ganhar as próximas. 

Como transferir defeitos próprios para os outros é especialidade dos conservadores, o jeito foi lançar mão de toda a calúnia e difamação para tentar enganar a sociedade inventando a falácia de que quem ajuda os mais pobres é corrupto e sanguinário e que bons mesmos são os magnatas gananciosos, supostamente dispostos a distribuir dinheiro para todo mundo (e nunca distribuem).

Além do golpe, as reformas e as vendas de riquezas e empresas públicas, mostram que o grande empresariado brasileiro no fundo não está a fim de trabalhar e sim a fim de lucrar muito de forma bem fácil, rápida e garantida. Como não pensam a longo prazo, agem como corsários e invadem o espaço dos outros e simplesmente tomam para si, pensando serem donos de tudo.

Porque não trabalhar duro, enfrentar a concorrência e esperar que o tempo traga os lucros merecidos? Porque trapacear mudando leis (como fizeram, impondo a escravocrata reforma trabalhista), tomando para si bens públicos e manipular as mentes das pessoas através da mídia e de grupos fascistas para que todos aprovem e apoiem todo o saque feito pelos capitalistas gulosos? Falam tanto em defesa do trabalho, porque não trabalhar?

O trabalho inclui respeito aos outros. Respeito a quem quer trabalhar honestamente, sem a truculência de passar e cima e tomar bens alheios para alimentar uma ganância que sempre se mostrará nociva à coletividade. Esses empresários - e não vamos generalizar a classe, há muitos empresários que reprovam as atitudes dos empresários golpistas - não sabem o mal que causam e para manter seus pomposos supérfluos, impedem multidões de terem o mínimo necessário.

Se gostam de trabalhar, porque não desistem de mudar leis e criar golpes, crises e se envolver em corrupção? Aceitem as regras do jogo, que nos governos progressistas, tentavam favorecer, senão a todos, pelo menos a maioria de pessoas de todas as classes, e se esforcem para que os lucros cheguem de forma limpa sem o banho de sangue, suor e lágrimas que vocês estão acostumados a impor aos mais fracos.

Trabalho honesto é trabalho com esforço, mas acima de tudo, trabalho com respeito ao direito alheio. Seres humanos tem as mesmas necessidades e privá-las para satisfazer ganância é a verdadeira crueldade que nunca aparece nas páginas policiais. Pensem nisso.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Renova Brasil: não caia nesta cilada

Uma iniciativa criada por um grupo formado pelos empresários mais ricos do país, chamada de Renova Brasil, ou Renova BR, tem a finalidade de preparar lideranças comprometidas com o neoliberalismo e que criem meios sutis de evitar a justa redistribuição de renda e o progresso de instituições brasileiras, o que poderia ameaçar a  hegemonia das grandes corporações do "Primeiro Mundo" e que prejudique os interesses particulares destes mesmos empresários.
Fracasso nas regiões onde a burguesia não é maioria
Esta iniciativa, criada para tentar salvar o neoliberalismo, que sofreu danos com a crise econômica de 2008, que se mostra um verdadeiro fracasso nas regiões onde a burguesia não domina, é liderada por Eduardo Mufarej, presidente da Somos Educação e tem o Luciano Huck como um dos patrocinadores e garoto propaganda de iniciativa. O ancião Abílio Diniz, o publicitário Nizan Guanaez (que pediu para o "mordomo" do Golpe de 2016, Michel Temer, aproveitar a impopularidade p…

Os desafios de uma Administração progressista e humanitária

Hoje, a Administração necessita urgentemente de uma novíssima fase. Mesmo com as mudanças feitas, a teoria e a prática da Administração ainda tem velhos estereótipos em sua base. Essencialmente mudou muito pouco. A Administração ainda está muito vinculada ao Capitalismo e ao ganancioso desejo pelo lucro. 
Os novos teóricos que se manifestam falam em humanismo, que pessoas são o principal ativo das empresas e bla-bla-bla, mas se vê que na prática a coisa é bem diferente. As faculdades de Administração, ao invés de serem polos de formação de gestores, acabam sendo uma fábrica de a aspirantes a magnatas egoístas, gananciosos e preconceituosos. Confundem arrivismo com ambição. É preciso parar com esta mentalidade infelizmente arraigada à ideia de Administração.
O Capitalismo está velho e acabado. Tenta melhorar a sua aparência, modernizar a sua capacidade de sedução, mas não consegue enxergar que a realidade atual exige pessoas realmente altruístas (sem a hipocrisia do assistencialismo p…

Reforma trabalhista destrói mito da Meritocracia

Hoje eu vou dar uma de Poliana, aquela personagem de conto de fada que via o lado positivo até mesmo na desgraça. A Reforma Trabalhista, que elimina muitos direitos dos trabalhadores, reduzindo o trabalho aos níveis da informalidade, tem um lado bom: cala a voz dos conservadores, que na poderão mais usar o falso mito da Meritocracia para justificar suas crenças.
Para quem chegou a este blog por meio deste texto, Meritocracia é a tese fantasiosa que alega que se um empregado cumprir todas a rotina do trabalho, obedecer ao patrão e seguir rigorosamente as regras do mercado, ele enriquecerá e virará um magnata. Pura lenda.
A Reforma Trabalhista destrói de uma vez por todas a Meritocracia e arranca a máscara de boa índole de empresários, executivos e dos conservadores que os defendem. Vários pontos da reforma deixam bem claro que o trabalhador terá a mesma fragilidade do trabalho informal (como se vê no camelô) e a possibilidade de perder até mesmo o direito a salário é real. Mesmo não e…